Opinião

Caro professor, como és barato!

15 de outubro de 2018 às 07h06 Por Heron Cid
Professora em sala de aula na educação fundamental

Estudo do Banco Interamericano de Desenvolvimento atesta: no Brasil, somente 5% dos jovens da faixa dos 15 anos sonham em seguir carreira de professor. Uma média que se repete na América Latina.

Dados fáceis de serem entendidos, no nosso caso. Apesar de políticas compensatórias e instituição de pisos salariais, os profissionais do magistério brasileiros ainda ganham metade da remuneração de formações similares, conforme dados levantados pelo BID.

O desinteresse, portanto, tem ligação direta com os baixos salários, combinados com a falta de estrutura das escolas.

Duas combinações que só levam a sala de aula os mais vocacionados e apaixonados pela profissão ou àqueles que chegam às escolas por falta de outra perspectiva de acesso à outras áreas.

Peguemos o exemplo da Paraíba.

Em João Pessoa, para uma carga horária de 30 horas, o professor iniciante recebe R$ 2.353,02. Com mestrado e doutorado, a remuneração chega a R$ 7.826,60.

Na rede estadual de ensino,R$ 5.160 é o salário de um professor em fim de carreira e depois de décadas de dedicação a formar outros profissionais.

Quem se interessa ou se sente atraído a investir todo o conhecimento acumulado numa profissão que, apesar de tão bela e relevante para a sociedade, é tratada de costas pelos governos?

Essa realidade, invariavelmente, reflete diretamente na ponta. O processo de aprendizado e a qualidade do ensino brasileiro são, inevitavelmente, afetados.

Para saber por que vamos mal das pernas na Educação não precisa de pesquisas e estudos aprofundados. Basta passar a vista nos contracheques dos educadores.

Enquanto o poder público não reparar essa distorção e não fizer da carreira do magistério uma política de Estado, a educação no Brasil vai ser o que é.

Uma das alternativas é a federalização do ensino. Só nas universidades públicas encontra-se salário digno do nome. Não por acaso, a despeito de todas as pesquisas que captam desestímulo, é lá que ser professor é o sonho de muita gente.

Vídeo

Vídeo-entrevista: Líder da Oposição crê em “diálogo mais fácil” com João


Quando é pra dar errado..

Dona Candinha descobriu qual é a Lei mais lida pela oposição da Paraíba nos últimos dias:

"Lei de Murphy!"

PONTO DE INTERROGAÇÃO
No acordo da base girassol, quem cederá? Adriano Galdino ou Buba Germano?
NÚMERO

R$ 500 mil

Valor liberado pelo Ministério da Justiça para a Defensoria Pública da Paraíba para interiorização aos atendimentos.