Bastidores

Em vantagem, Bolsonaro deve tocar a bola para o lado. Por Bernardo Mello Franco

11 de outubro de 2018 às 10h33
Edilson Dantas | Agência O Globo

Jair Bolsonaro largou bem à frente de Fernando Haddad na disputa do segundo turno. Se a eleição fosse hoje, o capitão venceria por 58% a 42%. Os números do Datafolha devem incentivá-lo a tocar a bola para o lado, esperando o tempo passar. É o que fazem os times que voltam do intervalo com ampla vantagem no placar.

Para um candidato que costuma tropeçar na própria língua, a melhor maneira de não dizer bobagens é manter a boca fechada. Isso explica a estratégia de faltar aos debates na TV. Duas emissoras já cancelaram seus encontros. A decisão beneficia Bolsonaro, que não precisará se expor e nem arcará com o desgaste da cadeira vazia.

O atestado médico não o impediu de manter sua campanha ativa na internet. Ontem ele fez uma transmissão de quase uma hora com o dono nas lojas Havan. No primeiro turno, o empresário foi repreendido pela Justiça ao coagir seus empregados a votarem no capitão. Agora reaparece como dublê de youtuber e cabo eleitoral.

No outro front, Haddad pena para gerar fatos positivos. Sua campanha aposentou o vermelho do PT, mas ainda parece longe de montar uma frente ampla contra o bolsonarismo. Em três dias, ele só conseguiu uma foto com Guilherme Boulos, que recebeu 0,58% dos votos.

O Globo

Vídeo

Vídeoentrevista: Jeová precisou vencer câncer, antes de ganhar eleição


Causas impossíveis

Dona Candinha não se aguentou ao ler a carta de Fernando Haddad “ao povo de Deus”:

"Só faltou fazer uma promessa a Santo Expedito!"

PONTO DE INTERROGAÇÃO
Com o apoio contundente de Ricardo Coutinho e aliados do Governo, a votação de Haddad aumenta ou cai na Paraíba?
NÚMERO

R$ 6,7 milhões

Valores de recursos aprovados pelo BNDES para projetos de recargas de veículos elétricos.