Opinião

Força de Ricardo, mérito de João e uma vitória maiúscula

8 de outubro de 2018 às 10h26 Por Heron Cid
João Azevedo andou firme no terreno preparado por Ricardo Coutinho; os dois se completaram na eleição

Faltou pouco para o governador Ricardo Coutinho fazer barba, cabelo e bigode na eleição de sua sucessão. A única curva no meio do caminho foi o insucesso de Luiz Couto (PT), na disputa ao Senado. No mais, quase tudo que o socialista queria as urnas deram: João Azevedo (PSB), eleito no primeiro turno ao Governo, Veneziano Vital (PSB) consagrado como senador e, de quebra, a derrota do inimigo declarado, Cássio Cunha Lima (PSDB).

Uma vitória política dessa envergadura quase nunca é explicada por um fator específico. A soma deles traz um diagnóstico para tradução.

A perfomance do Governo, aprovado por mais de 70% da população paraibana, a capilaridade política que o PSB alcançou em oito anos no Palácio da Redenção, a presença marcante da gestão em obras nas principais cidades do Estado, a começar da capital, e a base política de maioria esmagadora na Assembleia.

O governador Ricardo Coutinho dominou a cena desde o começo do processo eleitoral. Soube agir, acertadamente, para fragmentar a oposição, e minar a possibilidade de candidatura do prefeito Luciano Cartaxo, tido e havido à época como maior ameaça aos planos de longevidade do “projeto”.

A arriscada decisão de permanecer no “comando do processo”, de não renunciar ao cargo e de abdicar da disputa ao Senado foi vital, nesse contexto. Com o controle absoluto da sucessão, Ricardo deu as cartas, formou a chapa ao seu modo, deu o tom do discurso da candidatura governista, chamou a oposição para o seu território e praticou o que mais sabe fazer: desconstruir os adversários. Exerceu papel definitivo de cabo eleitoral e a capacidade de transferência de votos.

Tudo isso seria em vão sem um candidato com perfil e mérito próprio que João Azevedo revelou no curso da campanha. “Meu nome é João”, chavão bem difundido, deu o recado do protagonismo que o ex-secretário assumiu durante o processo. Nas entrevistas e debates, o socialista passava credibilidade e transmitia segurança ao eleitor, simpático ou não ao governo. E não cometeu erros. Um desempenho que catapultou seu crescimento paulatino no meio da eleição e avassalador na reta final do pleito. Não é exagero dizer que nasceu ontem uma nova liderança política na Paraíba.

A oposição, vamos combinar, também ajudou com sequência de deslizes, abissal falta de unidade e choque de interesses que levaram aos improvisos de última hora e a aposta numa candidatura (Lucélio Cartaxo) gestada às pressas.

Mas não se pode ignorar o contexto. A larga vitória do socialismo paraibano acentua um ciclo político forjado pelo governador Ricardo Coutinho. Algo semelhante ao que experimenta o vizinho estado de Pernambuco, com Eduardo Campos e depois Paulo Câmara, eleito e reeleito, ontem, no primeiro turno. Ricardo inaugurou uma nova fase na política paraibana, trazendo novos atores à cena e empurrando lideranças tradicionais ao desfiladeiro ou à obrigatória reciclagem.

Quando venceu Cássio Cunha Lima em 2014, foi dito que Coutinho saiu grande das urnas. Depois desse emblemático 7 de outubro, ele se agigantou. Não só pelo resultado, mas pelo significado do que representou seu papel no saldo final.

Vídeo

Secretário de Segurança da PB vê “muita coisa boa” no Plano de Moro


Terapia federal

No auge da sua experiência, Dona Candinha já sabe o que o Governo Bolsonaro mais precisa nesse momento:

"Divã!"

PONTO DE INTERROGAÇÃO
Com quantos deputados a oposição realmente conta na Assembleia?
NÚMERO

65 e 62

Idades mínimas para aposentadoria de homens e mulheres, respectivamente, constante da proposta do Governo Federal para a reforma da Previdência.