Bastidores

Bolsonaro e o seu labirinto. Por Ricardo Noblat

25 de setembro de 2018 às 09h34
Arte (Getty Images/VEJA/VEJA)

Antes do atentado de Juiz de Fora no último dia 6, o deputado Jair Bolsonaro (PSL) tinha uma rejeição de 44% em pesquisa de intenção de voto do Ibope.

Depois do atentado, a rejeição caiu para 41%, oscilou para 42% e agora cresceu para 46%, segundo a pesquisa Ibope de ontem. Quer dizer: o efeito do atentado, que o beneficiara, passou.

Daqui até domingo mais cinco pesquisas de intenção de voto para presidente da República serão conhecidas – a mais importante delas, do Datafolha, na noite da sexta-feira.

Sim, e haverá dois debates na televisão entre os candidatos – e sem Bolsonaro. Nesta quarta-feira (26), no SBT; no domingo (30), na TV Record. Está bom ou querem mais?

O último debate será o da TV Globo, no dia 4 de outubro – e a eleição no domingo dia 7. Até lá, novas pesquisas poderão confirmar o que por enquanto ainda não passa de um esboço.

Por uma ou duas vezes, Bolsonaro e Fernando Haddad (PT) disputarão a vaga de Michel Temer. Bolsonaro segue como favorito. Haddad ameaça alcançá-lo.

Quem não quiser ver Haddad ou Bolsonaro presidente tem Ciro Gomes (PDT), Geraldo Alckmin (PSDB) e Marina Silva (REDE) para votar, mas os três estão empacados, como Bolsonaro.

Haddad subiu. E tem mais espaço para subir a levar-se em conta o tamanho que alcançou se comparado com o que tinha Lula nas pesquisas de pouco mais de um mês.

Em 2002, ao fim do primeiro turno, Lula tinha 41% dos votos. Naquela ocasião, para a Câmara e o Senado, o PT havia obtido 19% dos votos. Haddad, hoje, está com 23% na pesquisa Ibope.

Como xerife da economia nacional na época da ditadura militar de 64, o ministro Delfim Netto costumava dizer: se torturados, os números confessam o que interessar aos seus algozes.

Sem tortura, os números indicam que esta será a mais acirrada eleição presidencial de nossa história.

Veja

Vídeo

Secretário de Segurança da PB vê “muita coisa boa” no Plano de Moro


Terapia federal

No auge da sua experiência, Dona Candinha já sabe o que o Governo Bolsonaro mais precisa nesse momento:

"Divã!"

PONTO DE INTERROGAÇÃO
Com quantos deputados a oposição realmente conta na Assembleia?
NÚMERO

65 e 62

Idades mínimas para aposentadoria de homens e mulheres, respectivamente, constante da proposta do Governo Federal para a reforma da Previdência.