Opinião

A Aije do Empreender e as ‘surpresas’

25 de setembro de 2018 às 10h23 Por Heron Cid
Cheque do Empreender entregue em maio de 2014, em João Pessoa (Foto: Francisco França)

O PSB e setores do Governo do Estado estão cobertos de razão quando se revelam surpreendidos pelo agendamento do julgamento da Ação de Investigação Eleitoral (Aije) do Empreender.

O governador Ricardo Coutinho encarou com estranheza a marcação da apreciação para a próxima sexta-feira.

De fato, é estranho e surpreendente. Não pela iminência da análise do rumoroso caso, mas pela demora e atraso a que a Corte Eleitoral paraibana se submeteu.

Nenhuma complexidade justifica, tecnicamente, tanto tempo para se colocar em pauta a ação mais relevante e significativa do processo eleitoral de 2014.

São quatro anos de banho-maria e de um arrastado sem fim. É a Aije do fim do mundo.

Um lenga lenga que, na prática, levou o processo a perder praticamente seu objeto, como se diz no jargão dos operadores do Direito.

O principal objetivo da denúncia do Ministério Público – fundamentada em abuso de poder na liberação indiscriminada de empréstimos do programa – é contra o mandato do governador.

Esse mandato já está no fim. Ou seja, na hipótese de confirmação de provas do crime e vício do processo eleitoral, a punição já está prejudicada. E o leite totalmente derramado.

Muito provavelmente, a denúncia será julgada improcedente. E nem precisa ser especialista para essa precisa, basta ser um mediano observador.

O único dano presumido mesmo será em forma de ônus à imagem do TRE.

Independente do resultado, Ricardo já saiu vitorioso desse processo.

Nesse aspecto, o governador não tem do que reclamar do TRE. Pelo contrário, só acumula motivos para agradecer.

A estratégia de defesa – pela postergação máxima – funcionou com rara eficiência. Uma ‘surpresa’ num Tribunal que processou, investigou, julgou e condenou um governador em seis meses, numa só sessão.

Mas, como se diz: cada caso, é um caso. Uns mais ou menos estranhos.

Vídeo

Vídeo-opinião: mortes no MST, violência no palanque


Juro zero, tá ok?!

Depois de ter ouvido que o depósito de um ex-motorista na conta de Michelle Bolsonaro tratava-se de um empréstimo, Dona Candinha batizou a mais nova instituição de crédito no Brasil:

"Banconaro!!!"

PONTO DE INTERROGAÇÃO
Ricardo Coutinho ocupará algum cargo, oficialmente, no futuro governo de João Azevedo?
NÚMERO

628 mil

Contribuintes que caíram na malha fina no Imposto de Renda 2018, segundo a Receita Federal.