Opinião

Auto estima em baixa e eleitores em depressão coletiva

20 de agosto de 2018 às 11h14 Por Heron Cid

Duas pesquisas recentes se cruzam para apresentar uma dura realidade, no começo da campanha propriamente dita.

A Big Data, encomendada pela Record, mostra metade do eleitorado brasileiro indeciso sobre em quem votar para presidente e a Ipsos-Estadão aponta alta desaprovação de todos os candidatos na disputa.

Segundo a Big Data, 47% do eleitorado está indeciso e 12% votaria em branco ou nulo. As respostas fazem parte da pesquisa espontânea, quando não são apresentados os nomes de candidatos.

Já o Ipsos convidou o eleitor a refletir sobre o perfil de cada um. Geraldo Alckmin é desaprovado por 75% dos entrevistados. A menor desaprovação é a de Lula com 51%. Mesmo assim, um número assustador e revelador.

No cruzamento das duas pesquisas, há uma leitura explícita: o eleitor está reprovando, sem margem de dúvidas, as opções postas no tabuleiro. É como se o prato servido fosse indigesto e a maioria esmagadora não demonstra qualquer apetite para sentar à mesa.

Outra possibilidade real é o resultado da descrença e pessimismo do cidadão quanto à expectativa de mudanças significativas se depender da vitória de um dos que aí estão na peleja eleitoral.

O eleitor brasileiro está em depressão. Não espera nada de bom do dia de amanhã.

Vídeo

Vídeo-opinião: apesar de tudo, a esperança dos jovens não morreu


Teste de nervos

De olho no temperamento dos nossos candidatos, Dona Candinha chegou a conclusão de que o próximo presidente do Brasil não precisa entender muito de economia.

"Basta contar até dez...!"

PONTO DE INTERROGAÇÃO
Se der Haddad e Bolsonaro no segundo turno, com quem o PSDB vota?
NÚMERO

R$ 827 bilhões

Volume de dívidas dos estados. Rio de Janeiro é o pior quadro com R$ 127 bilhões de débitos públicos.