Opinião

Auto estima em baixa e eleitores em depressão coletiva

20 de agosto de 2018 às 11h14 Por Heron Cid

Duas pesquisas recentes se cruzam para apresentar uma dura realidade, no começo da campanha propriamente dita.

A Big Data, encomendada pela Record, mostra metade do eleitorado brasileiro indeciso sobre em quem votar para presidente e a Ipsos-Estadão aponta alta desaprovação de todos os candidatos na disputa.

Segundo a Big Data, 47% do eleitorado está indeciso e 12% votaria em branco ou nulo. As respostas fazem parte da pesquisa espontânea, quando não são apresentados os nomes de candidatos.

Já o Ipsos convidou o eleitor a refletir sobre o perfil de cada um. Geraldo Alckmin é desaprovado por 75% dos entrevistados. A menor desaprovação é a de Lula com 51%. Mesmo assim, um número assustador e revelador.

No cruzamento das duas pesquisas, há uma leitura explícita: o eleitor está reprovando, sem margem de dúvidas, as opções postas no tabuleiro. É como se o prato servido fosse indigesto e a maioria esmagadora não demonstra qualquer apetite para sentar à mesa.

Outra possibilidade real é o resultado da descrença e pessimismo do cidadão quanto à expectativa de mudanças significativas se depender da vitória de um dos que aí estão na peleja eleitoral.

O eleitor brasileiro está em depressão. Não espera nada de bom do dia de amanhã.

Vídeo

Secretário de Segurança da PB vê “muita coisa boa” no Plano de Moro


Terapia federal

No auge da sua experiência, Dona Candinha já sabe o que o Governo Bolsonaro mais precisa nesse momento:

"Divã!"

PONTO DE INTERROGAÇÃO
Com quantos deputados a oposição realmente conta na Assembleia?
NÚMERO

65 e 62

Idades mínimas para aposentadoria de homens e mulheres, respectivamente, constante da proposta do Governo Federal para a reforma da Previdência.