Opinião

Pré-campanha uma ova

19 de julho de 2018 às 11h04 Por Heron Cid
Exemplo registrado no ABC paulista; candidatos podem tudo, menos pedido explícito de voto (Foto: Diário do ABC)

No Brasil, lei existe mesmo para ser desrespeitada. A legislação eleitoral, coitada, essa é a Geni, entre todas, sempre pronta para ser cuspida e estuprada.

É o caso da chamada pré-campanha, uma sofisticação retórica para disfarçar a campanha eleitoral antecipada.

Com a redução do processo eleitoral, o que quase todos os candidatos estão fazendo, na prática, é a própria campanha.

São eventos partidários, caminhadas, visitas, seminários, reuniões, entrevistas, encontros, caravanas e o escambau.

A única diferença é que ainda não contam com o guia gratuito do rádio e TV. Besteira, já transmitem mensagens e conceitos de candidatos em postagens pagas nas redes sociais.

Um pedido de voto indireto.

Os candidatos fingem que não estão em campanha. A Justiça Eleitoral finge que acredita. E assim tudo termina bem no Brasil.

Vídeo

Vídeoentrevista: Jeová precisou vencer câncer, antes de ganhar eleição


Metando

Dona Candinha jura que Dilma deu um conselho a Fernando Haddad, nessa reta final de segundo turno:

"Deixa a meta aberta e depois dobra a meta!"

PONTO DE INTERROGAÇÃO
Crítico contumaz do PT e voz ativa no impeachment, Cássio Cunha Lima ficará em silêncio no segundo turno?
NÚMERO

R$ 6,7 milhões

Valores de recursos aprovados pelo BNDES para projetos de recargas de veículos elétricos.