Opinião

O PT deixa a bola no pé de Ricardo

13 de julho de 2018 às 11h08 Por Heron Cid
Petistas fazem meio campo e deixam Ricardo na cara do gol; para onde governador chutará?

Antes da presidente nacional do PT desembarcar na Paraíba, os petistas paraibanos fizeram o dever de casa.

Removeram pedras no caminho contra a aliança, deram declarações favoráveis a Veneziano Vital, retiraram exigência de indicação na chapa do PSB e renovaram a intenção de voto em João Azevedo.

Prepararam todo o terreno favorável para a semeadura da conquista do apoio formal do governador Ricardo Coutinho ao ex-presidente Lula (PT), uma tendência quase natural a julgar pelo histórico de posicionamentos e votos do socialista aqui no Estado.

Na reunião, Gleisi Hoffman expôs para o governador a necessidade do fortalecimento de Lula e a garantia de que, em troca da única exigência, o PT da Paraíba seguirá na aliança com João Azevedo, o candidato ungido por Ricardo para a sua sucessão.

Inteligente, Ricardo fez ponderações, mas nem disse sim e nem disse não. Adiou o veredicto.

A cúpula petista saiu do encontro, aguardando as formalizações e passos de Ricardo, e com a certeza que fez tudo que lhe cabia, cedendo praticamente 100% da questões estaduais, reivindicando apenas e tão somente de Coutinho a facilidade do voto em Lula, nome com mais de 50% das intenções de votos na Paraíba.

O PT fez o meio campo e deixou a bola no pé de Ricardo. Agora é com ele decidir com qual time quer jogar.

Vídeo

Entrevista MaisTV – João Azevedo: “Eu não serei pau mandado de ninguém”


Teste de nervos

De olho no temperamento dos nossos candidatos, Dona Candinha chegou a conclusão que o próximo presidente do Brasil não precisa entender muito de economia.

"Basta contar até dez...!"

PONTO DE INTERROGAÇÃO
Se der Haddad e Bolsonaro no segundo turno, com quem o PSDB vota?
NÚMERO

R$ 827 bilhões

Volume de dívidas dos estados. Rio de Janeiro é o pior quadro com R$ 127 bilhões de débitos públicos.