Opinião

O PT deixa a bola no pé de Ricardo

13 de julho de 2018 às 11h08 Por Heron Cid
Petistas fazem meio campo e deixam Ricardo na cara do gol; para onde governador chutará?

Antes da presidente nacional do PT desembarcar na Paraíba, os petistas paraibanos fizeram o dever de casa.

Removeram pedras no caminho contra a aliança, deram declarações favoráveis a Veneziano Vital, retiraram exigência de indicação na chapa do PSB e renovaram a intenção de voto em João Azevedo.

Prepararam todo o terreno favorável para a semeadura da conquista do apoio formal do governador Ricardo Coutinho ao ex-presidente Lula (PT), uma tendência quase natural a julgar pelo histórico de posicionamentos e votos do socialista aqui no Estado.

Na reunião, Gleisi Hoffman expôs para o governador a necessidade do fortalecimento de Lula e a garantia de que, em troca da única exigência, o PT da Paraíba seguirá na aliança com João Azevedo, o candidato ungido por Ricardo para a sua sucessão.

Inteligente, Ricardo fez ponderações, mas nem disse sim e nem disse não. Adiou o veredicto.

A cúpula petista saiu do encontro, aguardando as formalizações e passos de Ricardo, e com a certeza que fez tudo que lhe cabia, cedendo praticamente 100% da questões estaduais, reivindicando apenas e tão somente de Coutinho a facilidade do voto em Lula, nome com mais de 50% das intenções de votos na Paraíba.

O PT fez o meio campo e deixou a bola no pé de Ricardo. Agora é com ele decidir com qual time quer jogar.

Vídeo

Secretário de Segurança da PB vê “muita coisa boa” no Plano de Moro


Imunidade alta

Dona Candinha garante que no Governo Bolsonaro ninguém gripa:

"É muita vitamina C!"

PONTO DE INTERROGAÇÃO
Com quantos deputados a oposição realmente conta na Assembleia?
NÚMERO

65 e 62

Idades mínimas para aposentadoria de homens e mulheres, respectivamente, constante da proposta do Governo Federal para a reforma da Previdência.