Bastidores

O Brasil parece dividido, mas não está. Por Matias Spektor

12 de julho de 2018 às 10h13
Manifestantes discutem durante atos de movimentos a favor e contra o ex-presidente Lula, na zona oeste paulistana - Zanone Fraissat - 17.fev.16/Folhapress

Se há uma ideia que ganhou status de consenso é a tese da polarização: no Brasil, opinião pública e política estariam polarizadas a ponto de atrapalhar a governabilidade e a vida em sociedade, abrindo espaço para os mais variados radicalismos.

A tese é plausível porque algumas das características estruturais do país —alta desigualdade, profundas clivagens raciais etc.— têm tudo para dividir os cidadãos.

De quebra, em anos recentes, o embate feroz a respeito do impeachment de Dilma criou clivagens não apenas entre grupos opositores, mas também entre colegas de trabalho, círculos de amizade e até mesmo famílias. Quem possui conta no Facebook ou no Twitter sabe: a sociedade parece estar dividida.

Só que a polarização é mais aparente que real. Quando dados comparativos são processados à luz das principais medidas de polarização, descobre-se que os níveis de cisão no Brasil são baixos, tanto em relação a outras democracias quanto ao nosso próprio passado.

Tais dados incluem informações sobre a ideologia da população brasileira, a relação entre o eleitorado e os partidos, o comportamento dos parlamentares no Congresso Nacional e a rejeição visceral que os indivíduos têm em relação aos líderes políticos.

O resultado mostra que a polarização no Brasil é bem menor do que em países como México, África do Sul e Turquia.

Além disso, não houve um pico de polarização a partir de 2013, quando os protestos de rua inauguraram um ciclo de insatisfação popular e tensão política. Quando houve mais polarização foi em 2002, ano em que Lula venceu a eleição para suceder FHC. E, mesmo lá, a cisão manteve-se relativamente baixa.

Por quê?

O sistema político brasileiro possui uma série de mecanismos que ajudam a mitigar a polarização e cegar o fio das tentações radicais.

Por um lado, isso é bom. A mistura de presidencialismo de coalizão com partidos fracos e pulverizados, alianças não programáticas e voto proporcional em lista aberta organizam o campo político para longe dos extremos.

Por outro, no entanto, isso é péssimo. A geleia geral cria um ambiente propício à dominância dos grupos de interesses particularistas, que capturam o Estado em detrimento dos interesses do eleitor.

A política deixa de girar em torno de programas alternativos capazes de testar os partidos políticos com base na performance de suas escolhas. É Ciro Gomes (PDT) na cama com o DEM, Jair Bolsonaro (PSL) atraindo eleitores do PT.

Tal sistema sustenta o “pacto oligárquico” que, há 30 anos, retira qualidade da democracia brasileira. A sociedade brasileira não está polarizada. E uma dose de polarização não lhe faria mal.

*Matias Spektor – Professor de relações internacionais na FGV.

Folha

Vídeo

Secretário de Segurança da PB vê “muita coisa boa” no Plano de Moro


Imunidade alta

Dona Candinha garante que no Governo Bolsonaro ninguém gripa:

"É muita vitamina C!"

PONTO DE INTERROGAÇÃO
Com quantos deputados a oposição realmente conta na Assembleia?
NÚMERO

65 e 62

Idades mínimas para aposentadoria de homens e mulheres, respectivamente, constante da proposta do Governo Federal para a reforma da Previdência.