Opinião

O silêncio de Raimundo Lira grita

18 de junho de 2018 às 09h18 Por Heron Cid
Raimundo Lira; enquanto ele não fala, o barulho das especulações ganha espaço (Foto: Jorge William / Agência O Globo)

Problema de saúde ou indisposição política. Uma ou outra coisa chamam a atenção na longa ausência do senador Raimundo Lira, candidato à reeleição pelo PSD, nas últimas semanas na Paraíba.

Entre políticos ou partidos de expressão no Estado a pergunta é a mesma: cadê Lira? A interrogação tem sentido.

O senador vinha numa rotina esfuziante de contatos e visitas à lideranças em eventos por todas as regiões. De repente, o sumiço inexplicável a abrir um mar de dúvidas entre amigos e correligionários.

Ao ponto de aliados como o deputado Ricardo Barbosa, entusiasta do trabalho e desempenho de Lira no Senado, também perder o fio do contato. Nem por telefone, políticos da intimidade de Raimundo conseguem algum retorno.

O que rumina na cabeça de Lira? Qual plano não deu certo? Algum arrependimento? Se sente traído? O senador reavalia estratégia? Estará enfastiado com o modelo em que para renovar o mandato precisa se submeter ao jogo tenebroso de prefeitos? Ou nada disso, Lira apenas passa por um deserto pessoal?

Até o senador falar, não cabem especulações sobre motivações. De pronto, uma justa constatação: um parlamentar com uma biografia política sem nenhum escândalo e uma trajetória pessoal acima de qualquer suspeita faz falta na pré-campanha e vazio e mais pobre deixará o pleito se por acaso sua foto não aparecer entre as opções nas urnas.

Por enquanto, só uma certeza: o longo e enigmático silêncio de Raimundo Lira grita na política paraibana. Enquanto ele não abrir a boca, muitas estratégias permanecerão caladas à espera do que dirá sua voz.

Vídeo

Secretário de Segurança da PB vê “muita coisa boa” no Plano de Moro


Imunidade alta

Dona Candinha garante que no Governo Bolsonaro ninguém gripa:

"É muita vitamina C!"

PONTO DE INTERROGAÇÃO
Com quantos deputados a oposição realmente conta na Assembleia?
NÚMERO

65 e 62

Idades mínimas para aposentadoria de homens e mulheres, respectivamente, constante da proposta do Governo Federal para a reforma da Previdência.