Bastidores

As estórias da história. Por Delfim Neto

14 de junho de 2018 às 10h20

A história dos EUA nos oferece ensinamentos interessantes. Para obter a adesão à Constituição de 1788, por exemplo, a União, sob estímulo do grande Alexander Hamilton, decidiu responsabilizar-se pela dívida dos 13 estados originais feitas durante a “Gloriosa Causa” da independência.

Com isso converteu-os, e aos seus credores, em defensores de um governo federal suficientemente forte para honrá-las, o que aconteceu. Em 1840, entretanto, quando os estados quebraram por sua conta e risco, a União recusou-se a fazê-lo pela segunda vez.

Preservou, assim, a devida distância das finanças estaduais. No Brasil, a União já socorreu estados e municípios N vezes e estamos a caminho de fazê-lo pela N+1 vez, enquanto o Congresso Nacional, irresponsavelmente, continua a aprovar “pautas-bomba” e a rejeitar os vetos do Executivo.

Talvez o que explica a funcionalidade da Constituição americana de 1788 (já dura 230 anos!) seja o tamanho do seu texto: 8 mil palavras e pouco mais de uma dezena de emendas.

Em 1791, foi aprovado o famoso “Bill of Rights”, que assegurou os direitos individuais e as liberdades da palavra, da religião, da reunião pacífica e o devido processo legal, além do balanço de poder (os checks and balances) entre o Legislativo, o Executivo e o Judiciário.

Discutido, ele foi aprovado pela Suprema Corte, o que estabeleceu a doutrina da revisão judicial das leis americanas. Foi isso que lhe deu, finalmente, o papel de juiz imparcial de última instância, coisa que a maioria dos países democráticos tentou imitar.

Mesmo com precário conhecimento dessa história fantástica, tenho a impressão de que uma parte importante da recepção da Constituição americana e a introjeção do seu respeito na alma dos seus cidadãos deveram-se ao longo debate entre 1787 e 1789, para convencer os 13 estados a ratificá-la.

Trata-se dos magníficos 85 “Federalist Papers”. Neles se discutem longamente na imprensa e em linguagem compreensível os problemas principais da organização social pretendida: a forma de representação, a separação dos poderes, o federalismo, o pluralismo e o papel fundamental da revisão judicial.

Antes, a Declaração da Independência dos EUA adotada no Congresso Continental em 4 de julho de 1776, de autoria de Thomas Jefferson, afirmou que “todos os homens são criados iguais e com direitos inalienáveis à vida, à liberdade e à busca da felicidade” (com exceção dos escravos, naturalmente).

O sufrágio universal que surgiu na Constituição francesa de 1793 só foi estendido às mulheres nos EUA em 1920. E os negros só conquistaram o direito de votar em 1965, 190 anos depois do reconhecimento de que “todos os homens são criados iguais”…

O famoso Paper nº 10, de 1787, de James Madison, aponta o grave problema social do sistema: a distribuição desigual da propriedade é a principal causa das diferenças políticas, pois “aqueles que têm propriedade e os que não a têm sempre terão divergentes interesses na sociedade”.

Madison reconhece que a sociedade tem dois tipos de cidadãos, o que Marx, 60 anos depois, explicitaria no Manifesto: uma diferença de poder que, ainda hoje, alguns economistas têm dificuldade de aceitar. Nos EUA, na sua origem, o Partido Democrata costumava defender os que não têm propriedade, e o Republicano os que têm.

Hoje a história mostra que o exercício da política, o conhecimento da economia e a aceitação dos limites físicos que condicionam qualquer sociedade são capazes de, respeitando os interesses divergentes, transformá-los num jogo de soma positiva que produzirá um desenvolvimento social e econômico equânime e sustentável. Não é preciso reinventar a roda.

Basta olhar o que os outros bem-sucedidos fizeram. De fato, os economistas têm, hoje, um conhecimento mais profundo de como funciona o sistema econômico que é porosamente incluído em toda sociedade para obter sua subsistência material.

Desenvolveram capacidade analítica e experiência empírica que recusam a vulgata do marxismo que ainda domina parte da academia e é “programa de governo” de um candidato à Presidência. Suspeito que Marx, no seu ducentésimo aniversário, não lhe daria seu voto.

Carta Capital
Vídeo

Secretário de Segurança da PB vê “muita coisa boa” no Plano de Moro


Imunidade alta

Dona Candinha garante que no Governo Bolsonaro ninguém gripa:

"É muita vitamina C!"

PONTO DE INTERROGAÇÃO
Com quantos deputados a oposição realmente conta na Assembleia?
NÚMERO

65 e 62

Idades mínimas para aposentadoria de homens e mulheres, respectivamente, constante da proposta do Governo Federal para a reforma da Previdência.