Bastidores

Donald Trump, ou a palhaçada do pré-adolescente. Por Clóvis Rossi

12 de junho de 2018 às 10h03
A chanceler alemã Angela Merkel fala com Donald Trump ao lado de outros líderes mundias durante encontro do G7 - Jesco Denzel - 9.jun.2018/Bundesregierung/Reuters

Christopher Sabatini, da Escola de Assuntos Internacionais e Públicos da Columbia University, ficou aquém da marca correta no tuíte em que comenta a famosa foto de Donald Trump (sentado) discutindo com os seus parceiros do G7 (detalhes na coluna do sempre atento Nelson de Sá nesta segunda-feira, 11):

“Parecia mais um grupo de adultos tentando argumentar com um pré-adolescente petulante”, escreveu Sabatini, que dirige um grupo de pesquisas destinado a pôr a América Latina no mapa global.

A chanceler alemã Angela Merkel fala com Donald Trump ao lado de outros líderes mundias durante encontro do G7
A chanceler alemã Angela Merkel fala com Donald Trump ao lado de outros líderes mundias durante encontro do G7 – Jesco Denzel – 9.jun.2018/Bundesregierung/Reuters

Chama-se “LatinamericaGoesGlobal”, intenção que talvez ajude a explicar o comentário dele a respeito do choque entre Trump e parceiros do G7. Afinal, o que Trump está fazendo é o oposto exato do que Sabatini prega para a América Latina: está tirando a América do papel global que exerceu, para o bem e para o mal, desde a segunda guerra mundial (1939/45).

Quando digo que o acadêmico ficou aquém da marca correta é porque acho que Trump, com suas atitudes na cúpula do G7, foi, sim, petulante, mas não pré-adolescente. Fez uma palhaçada. Comportou-se como se ainda fosse apenas o dono do programa “O Aprendiz”. Tanto que gritou “você está demitido”, por tuíte, ao premiê canadense Justin Trudeau.

Tuítes, aliás, com seus limites de caracteres, parecem ser o máximo que Trump consegue articular.

Se, com eles, faz a América parecer ridícula, em vez de grande, como diz pretender, seria problema apenas dele e de seu país. O que afeta o resto do mundo é o estrago que faz em quem acredita na democracia. Se a democracia permite que se eleja um pré-adolescente petulante e ridículo, para dizer o menos sobre Trump, qual é o exemplo que dá ao mundo?

Só valoriza autocratas como o russo Vladimir Putin ou o chinês Xi Jinping, para citar apenas dois que ganham cada vez que Trump tuíta. Ficam parecendo estadistas. Torço para que o Brasil não eleja, em outubro, algum machão atrabiliário, tipo Trump. Há muita gente por aqui que adora palhaçadas importadas.

Folha

Vídeo

Secretário de Segurança da PB vê “muita coisa boa” no Plano de Moro


Imunidade alta

Dona Candinha garante que no Governo Bolsonaro ninguém gripa:

"É muita vitamina C!"

PONTO DE INTERROGAÇÃO
Com quantos deputados a oposição realmente conta na Assembleia?
NÚMERO

65 e 62

Idades mínimas para aposentadoria de homens e mulheres, respectivamente, constante da proposta do Governo Federal para a reforma da Previdência.