Opinião

O debate ‘imposto’

25 de maio de 2018 às 11h01 Por Heron Cid

O problema do Brasil nunca foi recurso. Aqui, a mazela sempre foi uma: a má gestão do extraordinário bolo arrecado às custas do suor dos brasileiros.

Basta lembrarmos que a famigerada CPMF, o imposto do cheque, foi extinta e nem por isso o País parou ou deixou de continuar com orçamentos astronômicos.

O que permaneceu igual são os péssimos serviços em contraposição à alta oneração no bolso do contribuinte.

A crise dos combustível suscita essa revisão nacional. É hora de se redefinir o peso nas costas do cidadão que paga tudo e quase nada tem de retorno.

Não é razoável que praticamente 50% do que pagamos no litro da gasolina vai para os cofres da União e dos Estados. É uma extorsão que vem de muito tempo, mas chegou a hora de ser enfrentada.

A alta do preço do combustível é o estopim para um debate geral das taxações de bens, produtos e a cesta de impostos.

Não adianta Governo Federal e nem governadores dizerem que não podem abrir mão dessa receita, sob riscos de prejuízos do andamento de ações, obras ou programas.

É só o povo que está eternamente condenado a sempre abrir mão de parte de salários, conforto e poupança? Passou da hora de estender a cota de sacrifício aos arrecadadores. Que eles façam mais com menos.

Gráfico: (Fonte: G1)

Comentários

Vídeo

Entrevista: Conselho traça ‘guia econômico’ para candidatos ao Governo


Em bom português

Dona Candinha mandou um torpedo para Neymar, na Rússia!

"Meu filho, menos cabelo e mais futebol!"

PONTO DE INTERROGAÇÃO
Os candidatos deram uma trégua na Copa ou a Copa deu uma trégua para eles?
NÚMERO

R$ 1 bilhão

Recursos para o Fundo Nacional de Seguranca, a ser retirado do Fies, segundo números da Folha de São Paulo, posteriormente negados pelo Governo Federal.