Opinião

Caminhões parados; brasileiros em movimento

24 de maio de 2018 às 09h47 Por Heron Cid
Brazilian truck drivers block the BR-116 highway with their trucks during a strike in Curitiba, Brazil May 21, 2018. REUTERS/Rodolfo Buhrer

Nem MBL, nem Cut, nem MST e nem partido nenhum. Os caminhoneiros estão mostrando que o Brasil não precisa ser puxado por liderança alguma para peitar Michel Temer e protestar contra medidas de seu governo.

Diferente de outros, os protestos espalhados pelo País não têm digital de nenhuma organização política. Eles são fruto da manifestação legítima de uma categoria que sabe exatamente sua importância quando rodando e o tamanho da sua falta parando.

A ação dos caminhoneiros ganhou a massa. O prejuízo deles não é isolado. Cada brasileiro, que passou de repente a pagar a conta do preço da gasolina, se sente representado pelos motoristas parados.

Tanto que, mesmo prejudicado pelo desabastecimento de combustível, de alimentos e até de remédios, o cidadão apoia e expressa simpatia pela atitude dos homens da estrada. E teve efeito de espiral: taxistas, uber e transportes coletivos embarcaram juntos.

E é fácil de explicar: em cada estrada bloqueada, em cada caminhão parado, as pessoas – mesmo em casa – se vêem em pleno movimento.

Fazia tempo que as massas latejavam o desejo de manifestação, mas a ausência de esperança e a sequência de frustração roubavam o ânimo.

Temer e a Petrobrás deram o ‘combustível’ que faltava.

Comentários

Vídeo

Entrevista: Conselho traça ‘guia econômico’ para candidatos ao Governo


Em bom português

Dona Candinha mandou um torpedo para Neymar, na Rússia!

"Meu filho, menos cabelo e mais futebol!"

PONTO DE INTERROGAÇÃO
Os candidatos deram uma trégua na Copa ou a Copa deu uma trégua para eles?
NÚMERO

R$ 1 bilhão

Recursos para o Fundo Nacional de Seguranca, a ser retirado do Fies, segundo números da Folha de São Paulo, posteriormente negados pelo Governo Federal.