Opinião

Romero arregaça as mangas

21 de abril de 2018 às 11h13 Por Heron Cid
Romero Rodrigues não deixa passar em branco críticas de Veneziano

Pelo estilo fácil, acessível e postura humilde, Romero Rodrigues alcançou prestígio político e popular acima da média numa Campina Grande exigente e criteriosa.

Todos, aliados e adversários, portanto, sabem, hoje do seu poder de influência de voto não apenas na cidade que governa, mas em todo o entorno do chamado Compartimento da Borborema, dada a relação direta – negócios e serviços – desses municípios com Campina.

Tudo que foi dito aqui é chover no molhado. A novidade consiste na constatação dos últimos. Fora do páreo, imaginava-se que Romero hibernaria, se resguardaria e assistiria a caravana passar.

Nada disso. O tucano está entusiasmado com 2018 e, surpreendentemente, com a aliança com o prefeito Luciano Cartaxo e o pré-candidato Lucélio Cartaxo, do PV, com apoio do PSDB e agora PSD ao Governo do Estado.

Quem ainda hesitava tirou as conclusões na última quinta-feira. Romero recebeu Lucélio em Campina com toda sua tropa. Levou toda sua bancada de vereadores para um almoço descontraído e animado.

Ontem, no Rádio Verdade, da Rede Arapuan de Rádios, despejou toda sua expectativa positiva sobre o resultado da soma das forças de sua gestão e a de Luciano na perspectiva eleitoral de Lucélio Cartaxo e previu, sem medo de ser feliz, a vitória da Oposição.

Aconteceu o inesperado. Romero – mesmo pessoalmente fora da disputa – arregaçou as mangas. E quem conhece sabe que ele tem força e tamanho para fazer esse empenho se transformar em votos. Quem duvida, basta olhar para os números de 2016…

Vídeo

Vídeo-opinião: Marina, a única que ameaça ascensão de Bolsonaro


Saúde

Para Dona Candinha, depois da coletiva de hoje, a relação do senador José Maranhão com o Governo adoeceu:

"Foi para a UTI!"

PONTO DE INTERROGAÇÃO
João Azevedo e Lucélio Cartaxo se aguentam até quando sem nenhuma alfinetada em José Maranhão?
NÚMERO

48,9

Patamar de confiança da micro e pequena empresa que cresceu, mas segue em baixo patamar, apontam CNDL/SPC Brasil.