Opinião

Aécio nas cordas

18 de abril de 2018 às 11h34 Por Heron Cid
Aécio Neves, depois de se manter de pé com o foro, agora terá que acertar as contas com a Justiça; sentado no banco de réus

A aceitação do prosseguimento da investigação contra o senador Aécio Neves, na Primeira Turma do Supremo Tribunal Federal, começa livrar o Brasil da incômoda sensação de que a lei no País vale para todos, menos para os tucanos.

Até agora, na Lava Jato, praticamente toda a teia partidária foi arrolada, investigada, julgada e condenada. Do PT ao PMDB.

O PSDB está de fora. Uma constatação muito utilizada como parte do álibi do PT para amortecer o peso das acusações e condenações contra seus líderes, como o ex-presidente Lula.

O que é uma meia verdade. Os tucanos implicados tiveram a sorte de não cair nas mãos do juiz Sérgio Moro, da Vara Federal de Curitiba.

Todos os investigados foram blindados até aqui pelo famigerado foro privilegiado e contam com o privilégio de só serem alvo de processos diretamente no Supremo, cujo ritmo é conhecidamente lento e a rigidez é leniente.

O ex-governador Eduardo Azeredo, do Mensalão mineiro, já foi condenado lá pelas Minas Gerais, mas vem procrastinando a sentença com os intermináveis recursos.

É a vez de Aécio. O “mineirinho” agora é oficialmente réu, quase um ano depois de ter sido flagrado pedindo e recebendo propina e tramando contra a Lava Jato, temida de A a Z pelos político brasileiros.

Aécio não terá como fugir mais. Chegou a hora de acertar as contas com a Justiça, da qual dificilmente escapará ileso diante dos malfeitos cometidos. O Brasil, que quase caiu na lábia dele, agradece.

Vídeo

Vídeo-opinião: Marina, a única que ameaça ascensão de Bolsonaro


Saúde

Para Dona Candinha, depois da coletiva de hoje, a relação do senador José Maranhão com o Governo adoeceu:

"Foi para a UTI!"

PONTO DE INTERROGAÇÃO
João Azevedo e Lucélio Cartaxo se aguentam até quando sem nenhuma alfinetada em José Maranhão?
NÚMERO

48,9

Patamar de confiança da micro e pequena empresa que cresceu, mas segue em baixo patamar, apontam CNDL/SPC Brasil.