Bastidores

Populismo de ministros do STF colabora para intolerância. Por Reinaldo Azevedo

26 de Março de 2018 às 10h57
Ônibus da caravana de Lula é atacado em São Miguel do Oeste, no Rio Grande do sul (Marlene Bergamo/Folhapress)

Os ataques à caravana de Lula no Sul do país, com agressividade crescente, compõem o caldo de cultura da intolerância, que atitudes populistas no Supremo ajudam a engrossar. “Ah, então os petistas e o MST são exemplos de conduta política?” Nunca foram! Os métodos usados contra os companheiros, diga-se, não deixam nada a dever às práticas consagradas pelos militantes de João Pedro Stédile. Os fascismos de esquerda e de direita se opõem e se complementam, como ensina a história.

Mas é evidente que uma gestão política da pauta do Supremo, como a posta em prática pela ministra Cármen Lúcia, colabora para acirrar os ânimos e para aumentar a intranquilidade. A doutora sabe muito bem que a tensão sobre o julgamento do habeas corpus preventivo de Lula poderia ter sido evitada se ela tivesse cumprido a sua obrigação e posto em votação as Ações Declaratórias de Constitucionalidade que tratam da prisão depois da condenação em segunda instância. Qualquer que fosse o resultado, a votação do HC seria, na pratica, irrelevante.

Se os ministros decidissem, numa questão com efeito vinculante, que só é possível executar a pena depois do trânsito em julgado, a decretação da prisão de Lula se tornaria sem efeito; se o contrário, o destino do habeas corpus teria resultado certo: contra as pretensões do petista.

Mas Cármen atuou para demonizar os ministros que têm posição contrária à dela. Agiu para constrangê-los. Resultado: as franjas mais radicalizadas do processo político resolvem, então, fazer justiça com pedras, paus e ovos, como se viu em Chapecó, em Santa Catarina. O que querem Dona Cármen e os radicais de toga de última hora que lhe dão sustentação? Que o outro lado se arme também de paus, pedras e ovos para, como direi?, fazer a argumentação política?

Os dias andam bem atrapalhados. O Brasil tem um caminho, que é aquele que lhe oferece a Constituição. Se ignorado, restam a porrada, o confronto de rua, o todos contra todos, o que sempre é do interesse dos malandros.

RedeTV

Comentários

Vídeo

Entrevista: Polo de Tecnologia de JP criará ambiente de negócios


Esforço concentrado

De Dona Candinha, sobre a guerra fria entre setores do Governo e a vice-governadora da Paraíba:

"Querem transformar a "Amiga" em "Inimiga Lígia"!"

PONTO DE INTERROGAÇÃO
E se o PT souber que tem gente do PSB trabalhando para Aguinaldo Ribeiro ser o segundo senador na chapa?
NÚMERO

R$ 300 milhões

Valor dos recursos a serem investidos na continuidade da duplicação da BR-230 na Paraíba, obra que deve começar nos próximos dias.