Bastidores

O haraquiri de Aécio faz um ano. Por Bernardo Mello Franco

26 de março de 2018 às 11h02
Aécio Neves, senador do PSDB (Foto: ANDRESSA ANHOLETE)

“Que confusão filha da p… que fizeram com você, hein?” Foi com essas palavras que Aécio Neves abriu a porta da suíte no sétimo andar do Hotel Unique, em São Paulo. O visitante, Joesley Batista, estava na mira de uma operação da PF contra a adulteração de carne. Em pouco tempo, o tucano se veria mergulhado numa confusão muito maior.

O encontro de Aécio e Joesley fez um ano ontem. Sem saber que estava sendo gravado, o senador praticou um caso exemplar de haraquiri político. Em 35 minutos, forneceu material para a Procuradoria denunciá-lo por corrupção passiva e obstrução da Justiça.

O tucano foi alvo de dois pedidos de prisão. Escapou da cadeia, mas teve o mandato suspenso e passou três semanas em recolhimento noturno. Ainda viu a irmã mais velha, Andrea, amargar um mês atrás das grades.

O áudio de Aécio não dá muita margem a dúvidas. No começo da conversa, ele pede R$ 2 milhões ao dono da JBS. Em seguida, indica um assessor para buscar o dinheiro — se possível, diz, “alguém que a gente mata ele antes dele fazer delação”. Alguns dias depois, a PF filmaria seu primo Frederico Pacheco recebendo R$ 500 mil em espécie. A operação seria repetida mais duas vezes, com registros em vídeo.

Numa entrevista à BBC Brasil, o ministro Luís Roberto Barroso se mostrou inconformado com a impunidade do senador. “Há 650 mil presos no sistema penitenciário brasileiro. Poucos estão presos com tanta prova quanto havia neste caso”, disse.

A denúncia contra Aécio foi apresentada há quase dez meses, mas o Supremo Tribunal Federal ainda não marcou data para analisá-la. Em fevereiro, ele entregou a defesa e se disse vítima de um “flagrante preparado”. Roubou as palavras do aliado Michel Temer, delatado pelo mesmo empresário.

No front político, os advogados não têm como ajudar o tucano. Ele foi varrido do comando do PSDB, passou a ser evitado por aliados e deve desistir de tentar outro mandato no Senado. Agora avalia se candidatar a deputado ou até ficar fora da eleição. Seria um fim melancólico para quem teve 51 milhões de votos na última corrida presidencial.

O Globo

Vídeo

Vídeo-opinião: apesar de tudo, a esperança dos jovens não morreu


Teste de nervos

De olho no temperamento dos nossos candidatos, Dona Candinha chegou a conclusão de que o próximo presidente do Brasil não precisa entender muito de economia.

"Basta contar até dez...!"

PONTO DE INTERROGAÇÃO
Se der Haddad e Bolsonaro no segundo turno, com quem o PSDB vota?
NÚMERO

R$ 827 bilhões

Volume de dívidas dos estados. Rio de Janeiro é o pior quadro com R$ 127 bilhões de débitos públicos.