Opinião

A federalização da UEPB

23 de março de 2018 às 10h11 Por Heron Cid
Sede da UEPB em Campina Grande: (Foto: Junior Lacet Filho - Reprodução do Jornal da Paraíba)

Há tempos a Universidade Estadual da Paraíba vive debaixo de um guarda-chuva de incertezas. A tão invocada autonomia orçamentária na prática é objeto quase mensal de negociações e interpretações na relação com o ente provedor, o Governo do Estado.

A instabilidade faz a UEPB gerenciar permanente tensão. Um quadro que ameaça até o pagamento regular do décimo terceiro de sua folha, quanto mais seu crescimento, fortalecimento e expansão.

O que fazer para garantir à Universidade vida longa e blindagem definitiva? O professor Thompson Fernandes Mariz, ex-reitor da UFCG e ex-secretário de Planejamento do Estado, tem uma proposta.

Ele defende a federalização da UEPB como saída consistente para afastar a entidade de riscos, oscilações e insegurança.

No Rádio Verdade, da Rede Arapuan de Rádios, Mariz explicou que sua tese beneficia o Estado duplamente.

Presenteia a UEPB com estabilidade (Thompson defende as garantias dos direitos adquiridos dos servidores e docentes) e deixa à Paraíba um saldo anual superior a R$ 1 bilhão (orçamento da Universidade) para investimento maciço em ensino fundamental e profissionalizante.

Esse último, um volume de recursos com potencial para dar ao Estado um diferencial na Educação, política redentora para qualquer unidade da Federação, quanto uma débil Paraíba.

A sugestão faz todo o sentido.

Obviamente, por ser polêmica, encontrará resistências, desconfianças e receios de parte da UEPB, mas também despertará interesse de outra parcela a refletir, sem preconceitos, sobre a alternativa.

No mínimo, é um caminho que merece ser debatido. E, o emblemático 2018, é o ano ideal.

Pausa para uma pergunta. De que vale uma ‘autonomia’ na letra fria da Lei, quando na prática a realidade é de total dependência e pires na mão? O debate pode começar por essa reflexão.

Vídeo

Vídeo-opinião: apesar de tudo, a esperança dos jovens não morreu


Teste de nervos

De olho no temperamento dos nossos candidatos, Dona Candinha chegou a conclusão de que o próximo presidente do Brasil não precisa entender muito de economia.

"Basta contar até dez...!"

PONTO DE INTERROGAÇÃO
Se der Haddad e Bolsonaro no segundo turno, com quem o PSDB vota?
NÚMERO

R$ 827 bilhões

Volume de dívidas dos estados. Rio de Janeiro é o pior quadro com R$ 127 bilhões de débitos públicos.