Opinião

Quanto mais dia 7 de abril encurta, mais boatos crescem

22 de março de 2018 às 11h06 Por Heron Cid
Ricardo Coutinho e Lígia Feliciano; os dois sabem o que querem, mas guardam para si

Todos os dias se espalham boatos e fofocas de bastidores envolvendo o governador Ricardo Coutinho (PSB) e a vice-governadora Lígia Feliciano (PDT).

Um dia é um acordo já celebrado. Dia seguinte já se muda tudo: é um recado de um lado. Outro, uma negativa do outro.

Semana adiante, a renúncia dupla é tratada como prego batido e ponta virada.

Esquecem de combinar os dois e até com o presidente da Assembleia, Gervásio Maia, e a coisa volta ao de sempre.

Posteriormente, personalidades importantes do Governo passam admitir renúncia de Ricardo.

Não demora nada para lideranças governistas voltarem a garantir: Coutinho não sai por nada.

Tudo especulação. Ricardo e Lígia continuam na mesma. Cada um na sua. Respeitando seus papéis e limites comuns.

Os dois sabem o que querem, mas guardam para si.

Perdurarão assim até 7 de abril, último dia para desincompatibilização?

Só o prazo mostrará.

Vídeo

Vídeo-opinião: apesar de tudo, a esperança dos jovens não morreu


Teste de nervos

De olho no temperamento dos nossos candidatos, Dona Candinha chegou a conclusão de que o próximo presidente do Brasil não precisa entender muito de economia.

"Basta contar até dez...!"

PONTO DE INTERROGAÇÃO
Se der Haddad e Bolsonaro no segundo turno, com quem o PSDB vota?
NÚMERO

R$ 827 bilhões

Volume de dívidas dos estados. Rio de Janeiro é o pior quadro com R$ 127 bilhões de débitos públicos.