Bastidores

Para salvar Lula, STF entra em autocombustão. Por Josias de Souza

21 de março de 2018 às 09h55
Supremo Tribunal Federal, em Brasília

O Supremo Tribunal Federal virou um teatro. Nele, arma-se uma nova encenação. Cármen Lúcia, a presidente da Corte, ainda resiste. Mas formou-se um sólido bloco de ministros a favor da rediscussão da regra que permitiu a prisão de condenados na segunda instância. Há duas ações tratando do tema. Alega-se que são genéricas. Meia verdade. As ações, de fato, não tratam de nenhum caso específico. Mas deseja-se julgá-las para chegar a um resultado bem concreto: livrar Lula da cadeia.

Há no Supremo um pedido de habeas corpus protocolado pela defesa de Lula. Poderia ser julgado em plenário. Bastaria que o relator, Edson Fachin, submetesse o assunto aos colegas. Mas prefere-se julgar as ações que tratam genericamente da regra sobre a prisão em segunda instância. Por quê? Imagina-se que o steap-tease seria menor.

Celso de Mello, o ministro mais antigo, decano do Supremo, foi guindado à condição de líder do bloco que defende a política de celas abertas. Para atenuar a desmoralização, nenhum ministro do lado contrário se anima a gritar incêndio dentro do teatro em que se converteu o Supremo. Mas a pressão para livar Lula do constrangimento de ser preso torna inevitável gritar teatro dentro do incêndio. Para salvar Lula, o Supremo Tribunal Federal cogita matar sua supremacia. A Suprema Corte entrou em processo de autocombustão.

Vídeo

Vídeo-opinião: apesar de tudo, a esperança dos jovens não morreu


Teste de nervos

De olho no temperamento dos nossos candidatos, Dona Candinha chegou a conclusão de que o próximo presidente do Brasil não precisa entender muito de economia.

"Basta contar até dez...!"

PONTO DE INTERROGAÇÃO
Se der Haddad e Bolsonaro no segundo turno, com quem o PSDB vota?
NÚMERO

R$ 827 bilhões

Volume de dívidas dos estados. Rio de Janeiro é o pior quadro com R$ 127 bilhões de débitos públicos.