Opinião

A Paraíba no caminho de Marielle

17 de março de 2018 às 09h30 Por Heron Cid
Marielle Franco repetiu de outra forma luta de Margarida Maria Alves; e destino trágico, também

Quando deu a luz à Marielle Franco, dona Marinete da Silva, de Alagoa Grande, sabia que a pequena seria uma forte, como toda gente de raízes paraibanas, mas não imaginava, nem nos piores pesadelos, o preço que a filha pagaria.

Marielle virou ativista social, defensora dos direitos humanos, da igualdade social e vereadora do bélico e contrastante Rio de Janeiro.

Reconhecida pela sua militância contra a violência policial, materializada dia a dia na cidade contra negros e favelados, a parlamentar assumiu Comissão na Câmara Municipal para acompanhar a intervenção federal no Rio, medida da qual discordava publica e convictamente.

Era socióloga formada pela PUC-Rio e mestra em Administração Pública pela Universidade Federal Fluminense (UFF). A dissertação de mestrado, com o tema “UPP: a redução da favela a três letras”, dizia muito do seu perfil de atuação.

Marielle lutava pelas minorias e levantava a voz contra poderosos. Ela repetiu, de outra forma e do seu jeito, a odisseia encampada no passado pela conterrânea de sua mãe, Margarida Maria Alves.

Quem sabe dona Marinete não via semelhanças na caminhada de ambas. Quem sabe reconhecia no seu íntimo os perigos que correm quem navega contra a maré.

A paraibana só não previa que a brava Marielle teria destino semelhante ao que foi urdido em emboscada à líder camponesa, fulminada décadas atrás com um tiro no rosto.

Nem muito menos que a munição usada pelos criminosos para matar sua filha, viria ironicamente roubada da sede dos Correios da sua terra, a Paraíba.

A Paraíba que brotou Margarida e deu semente à Marielle foi a mesma que, diretamente e indiretamente, calou e desfolhou o verde da vida das duas.

Nota: Anderson Gomes, de 39 anos, motorista do carro de Marielle, entrou na linha de tiro e foi morto no ataque. Tal qual a vereadora, ele tinha também raízes paraibanas. Era filho de uma família de Campina Grande.

Vídeo

Vídeo-opinião: MDA mostra: Lula tem energia, mas não será fácil acender poste


Extinção de periferia

Dona Candinha disse a Neta que se  Geraldo Alckmin vencer a eleição, o Brasil deixará de ter bairros. A sobrinha inventou de perguntar a razão e ouviu a seguinte resposta:

"Só vai ter Centrão!!!"

PONTO DE INTERROGAÇÃO
José Maranhão dará palanque a Henrique Meirelles na Paraíba?
NÚMERO

33%

Aumento no número de servidores temporários, contratados pela Prefeitura de Campina Grande, no primeiro semestre de 2018, de acordo com alerta emitido pelo Tribunal de Contas do Estado.