Opinião

Campina e João Pessoa, Romero e Luciano

15 de março de 2018 às 10h20 Por Heron Cid
Mais do que os outros, Romero e Luciano sabem que não concorrem mais entre si e devem agora somar forças para demarcar território

A força da soma eleitoral de João Pessoa e Campina Grande é um dos poucos consensos na política paraibana.

Até antes do “fico” do prefeito Luciano Cartaxo, analistas e lideranças, por mais diversos que fossem, sempre concordaram; eventual junção do gestor da Capital com o prestígio do prefeito campinense, Romero Rodrigues, coloca uma aliança num patamar de favoritismo.

Luciano saiu do páreo. Romero Rodrigues, hoje, também, ao anunciar, por vias oblíquas, a decisão de ficar na Prefeitura de Campina Grande e de apoiar as pretensões de Luciano, em caso de volta. Independente de regresso, Romero mandou avisar: Luciano e eu marcharemos juntos.

Reparem, de um jeito bem maneiro, Rodrigues não declinou por um nome do ninho tucano.

No mínimo, tem algo novo no ar.

Se a intenção for real e prosperar, voltamos àquele ponto de partida: Coesos, Rodrigues e Cartaxo – as novas forças em ascensão – exercem influência determinante na eleição de 2018, mesmo fora dela.

Como assim? Ainda que não protagonizem o espetáculo, os dois prefeitos podem se valer das respectivas boas avaliações de gestão, da capilaridade eleitoral nas cidades que comandam e ainda dispor da estrutura da máquina para empinar uma chapa costurada a quatro mãos.

Mas tem um ingrediente especial nesse bolo.

Adicione tudo isso a candidatos que representem diretamente com cara e nomes um e outro, unidos, numa disputa.

Pronto, está feita a receita que tem tudo para ser misturada nesse liquidificador. E, pelos projetos de Romero e Luciano, com muitas chances de fermentar dentro da Oposição.

Vídeo

Secretário de Segurança da PB vê “muita coisa boa” no Plano de Moro


Terapia federal

No auge da sua experiência, Dona Candinha já sabe o que o Governo Bolsonaro mais precisa nesse momento:

"Divã!"

PONTO DE INTERROGAÇÃO
Com quantos deputados a oposição realmente conta na Assembleia?
NÚMERO

65 e 62

Idades mínimas para aposentadoria de homens e mulheres, respectivamente, constante da proposta do Governo Federal para a reforma da Previdência.