Bastidores

Temer tenta constranger a Justiça. Por Ricardo Noblat

12 de março de 2018 às 09h38
Presidente Michel Temer, deixa a casa da presidente do STF, (Supremo Tribunal Federal), ministra Cármen Lúcia, após uma conversa entre os dois. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

O que pode alçar uma pessoa à categoria das pessoas especiais são suas ações para o bem ou para o mal – o cargo que ocupa não importa ou importa menos. A lei não distingue entre homens comuns e incomuns. Mas a Justiça dos homens, infelizmente costuma distinguir.

Por se julgar um homem incomum, assim como Lula e tantos outros se julgam também, Michel Temer não perde uma ocasião para tentar constranger a Justiça. Acha-se perseguido por ela. Em troca, persegue seus favores e esquece o que ensinou como professor de Direito.

Na última sexta-feira, sob a desculpa de se tratar de “um debate acadêmico”, despachou uma carta para a procuradora-geral da República Rachel Dodge protestando contra a inclusão do seu nome na lista de políticos investigados por receber dinheiro da Odebrecht.

No último sábado, sob o disfarce de discutir a intervenção federal no setor de segurança pública do Rio de Janeiro, visitou na casa dela a ministra Cármen Lúcia, presidente do Supremo Tribunal Federal (STF). O sigilo bancário de Temer foi quebrado pelo STF em outra investigação.

Não ocorre a Temer que tais iniciativas só o rebaixam, e ao cargo que provisoriamente exerce de presidente da República? E que acabam reforçando as suspeitas de que ele tem algo a temer? Por delicadeza, a ministra o recebeu. Mas foi visível seu desconforto ao despedir-se dele.

De resto, a visita fora de fora deixou Cármen Lúcia numa saia justa. Como ela se negará a receber daqui para frente outros visitantes incômodos? Se Lula batesse à sua porta, o que ela faria?

Veja

Comentários

Vídeo

Entrevista: Conselho traça ‘guia econômico’ para candidatos ao Governo


Em bom português

Dona Candinha mandou um torpedo para Neymar, na Rússia!

"Meu filho, menos cabelo e mais futebol!"

PONTO DE INTERROGAÇÃO
Os candidatos deram uma trégua na Copa ou a Copa deu uma trégua para eles?
NÚMERO

R$ 1 bilhão

Recursos para o Fundo Nacional de Seguranca, a ser retirado do Fies, segundo números da Folha de São Paulo, posteriormente negados pelo Governo Federal.