Opinião

O fio preto e as penas ao vento

23 de fevereiro de 2018 às 20h54 Por Heron Cid

A parábola das penas ao vento ensina muito sobre a necessidade de cautela com palavras e acusações. Depois de uma história solta, se for mentirosa, é difícil recuperar a a verdade perdida pela estrada.

O dito popular cai como uma luva no episódio batizado de “Fio Preto”. Nele, a Energisa foi acusada aos quatro cantos de falsificar gatos para faturar em cima de multas a consumidores.

Esta semana, o Conselho do Ministério Público da Paraíba arquivou a denúncia e homologou Termo de Ajustamento de Conduta para aprimoramento da forma de comunicação da operadora com os clientes.

Antes, a Agência Nacional de Energia Elétrica havia afastado a existência de provas da suposta fraude.

Muito provavelmente os novos fatos e conclusões do Ministério Público e da Aneel dificilmente terão o mesmo destaque e nem chegarão a todos os destinatários das notícias e suspeitas levantadas em torno da onerabilidade da Energisa.

Os registros ficarão restritos a algumas notas, sem grandes manchetes. Ninguém compartilhará nas redes sociais.

Aqui, e não faz tempo, este Blog mesmo – ao analisar jornalisticamente a denúncia – ajudou involuntariamente a espalhas penas de dúvidas.

Essa postagem é uma mea culpa e sincera tentativa de reencontrar o máximo de veracidade no caminho.

Vídeo

Flagrante: um Palácio da Redenção “inacessível”


Bolo

Dona Candinha sobre a prisão de Michel Temer no dia do aniversário do sucessor, Bolsonaro:

"Um presente!"

PONTO DE INTERROGAÇÃO
Quando os secretários passarão a ver João Azevedo como chefe e não mais como colega de governo?
NÚMERO

71

Número de vagas do concurso público anunciado pela Prefeitura do Conde, litoral sul paraibano.