Opinião

Com o ‘direto’ da intervenção, Temer sai das cordas

22 de fevereiro de 2018 às 09h57 Por Heron Cid
Michel Temer (Foto: REUTERS/Ueslei Marcelino)

Politicamente, o presidente Michel Temer jogou bem com a intervenção federal no Rio de Janeiro. O impopular presidente trocou antipática Reforma da Previdência pelo combate à violência, tema número um na ordem de prioridade de dez entre cada dez brasileiros.

A jogada foi tão acertada que incomodou do ultra Jair Bolsonaro – até então o único dono discurso da segurança – à esquerda liderada pelo PT.

Pegos de surpresa com o direto da articulação de Temer, os dois extremos se uniram nos ataques à intervenção. Não deu pra disfarçar. Sentira o golpe (sem trocadilhos).

Atacado de todos os lados e preocupado em fazer dos ajustes fiscais e reformas seu grande legado, Temer saiu das cordas. Deixou de lado o seu alinhamento com o mercado – que não já não contava mesmo com a Reforma da Previdência pra já – e resolveu dialogar com quem lhe rejeita: as massas.

Não se sabe se o movimento de Temer no Rio, com seus reflexos e olhares de todo o Brasil, terá tempo para tirá-lo do fundo do poço e colocá-lo na superfície do debate eleitoral, esfera que ele e seus aliados se animam a participar.

Mas, uma coisa é certa: o presidente saiu da posição desconfortável de avestruz e estorvo para a condição de protagonista de um tema que todo mundo tem interesse.

Com uma vantagem; diferente de Bolsonaro, Temer tem a caneta para fazer algo concreto. Ao contrário de Lula e o PT, co-partícipes diretos da gangue de Sérgio Cabral, que tungou o Rio e o levou ao descontrole, ele se atreve a tomar alguma medida concreta na segurança pública do Estado.

Se até a eleição conseguir controlar ou estabilizar a violência por lá a níveis aceitáveis, o presidente terá um discurso popular para chamar de seu. Se a intervenção fracassar, como praticamente todos os prognósticos apontam, tudo não terá passado de mera tentativa e Temer sairá tão fraco quanto entrou.

No caso de Michel, um risco mínimo. Quase devendo aprovação, ele pouco ou nada tem a perder. Pra ele, pior que tá não fica, diria o filósofo Tiririca.

Vídeo

Vídeo-opinião: mortes no MST, violência no palanque


Juro zero, tá ok?!

Depois de ter ouvido que o depósito de um ex-motorista na conta de Michelle Bolsonaro tratava-se de um empréstimo, Dona Candinha batizou a mais nova instituição de crédito no Brasil:

"Banconaro!!!"

PONTO DE INTERROGAÇÃO
Ricardo Coutinho ocupará algum cargo, oficialmente, no futuro governo de João Azevedo?
NÚMERO

628 mil

Contribuintes que caíram na malha fina no Imposto de Renda 2018, segundo a Receita Federal.