Opinião

O desabafo do bispo de Campina

14 de Fevereiro de 2018 às 17h27 Por Heron Cid

Em Campina Grande, população, entidades e autoridades vivem a se queixar do quadro caótico de violência na cidade.

Sempre que alguma voz se levanta, o Governo repete a estratégia de contenção, minimiza e desqualifica, em vez de tomar medidas possíveis. Foi assim recentemente com a CDL local.

Dessa vez, o apelo partiu espontaneamente de ninguém mais menos do que o bispo dom Dulcênio Fontes. E em tom de cobrança.

À reportagem da TV Borborema, ele desabafou ao falar sobre a segurança pública – tema da campanha da fraternidade deste ano:

“Eu posso lhe dizer com toda a segurança que já experimentei. Aqui em Campina Grande, por exemplo, nós estamos ao Deus-dará”.

E continuou sua dura pregação: “Nós precisamos que as autoridades, a começar pelo governador, olhem pra Campina, porque a violência está muito grande”.

“Vamos fazer um trabalho nessa campanha da fraternidade pra que a sociedade tome consciência de que estamos mergulhados e não estamos protegidos por aqueles que poderiam nos proteger”.

Acossado pela criminalidade, resta ao campinense apelar pela reza. Mas de tão grave o nível,  nem a fé e paciência do bispo suportaram…

Comentários

Vídeo

Vídeo-entrevista: estatístico faz raio-x das candidaturas ao Governo da Paraíba


Disparidade inflamável

Dona Candinha, com uma frase retratou o Brasil das últimas horas:

"Tanque vazio e saco cheio!"

PONTO DE INTERROGAÇÃO
Michel Temer aguenta o prolongamento da crise sem combustível popular?
NÚMERO

36

Anos fora da Copa do Mundo, a seleção do Peru, volta à maior competição do futebol mundial, depois de ficar de fora por oito competições seguidas.