Bastidores

Beija-Flor critica corrupção, mas esquece patrono. Por Josias de Souza

14 de Fevereiro de 2018 às 09h37
Beija Flor na Sapucaí em desfile de crítica aos escândalos políticos (Foto: Uol)

As mazelas do Brasil frequentaram o enredo de várias escolas de samba. Mas uma delas foi mais contundente. A Beija-Flor expôs na Marques de Sapucaí, no Rio, o flagelo da corrupção e suas consequências sociais. O desfile foi apoteótico. Mas faltou à Beija-Flor uma ala sobre o patrono da escola, o contraventor Aniz Abraão David. Anísio, como é chamado, carrega no prontuário uma sentença de primeira instância: 48 anos de cadeia por corrupção ativa, lavagem de dinheiro, sonegação fiscal e contrabando. Está livre graças ao Supremo Tribunal Federal.

Anísio Abrão integra o baronato do jogo do bicho, que dá as cartas nas escolas de samba há pelo menos cinco décadas. Esse pessoal conquistou fortuna, poder e prestígio social. Jornalistas, comentaristas e estrelas do mundo das artes enalteceram na transmissão televisiva o arrojo da Beija Flor. Mas ninguém se lembrou de mencionar o rastro pegajoso do patrono da escola.

Junto com outros barões do jogo, Anísio foi engolfado por uma operação chamada Furacão, que desbaratou um esquema de compra de policiais e juízes, para liberar máquinas de caça-níqueis apreendidas pela Receita. Em 2012, a quadrilha foi condenada em primeira instância. Em 2016, às vésperas do julgamento na segunda instância, que deveria levar os criminosos à cadeia, o processo foi suspenso pelo ministro Marco Aurélio Melo, do Supremo. Em liberdade, o condenado Anisio aprovou o enredo anticorrupção da Beija Flor. Uma evidência de que, no Brasil, a hipocrisia também é uma forma de patriotismo.

UOL

Comentários

Vídeo

Vídeo/entrevista: o papel dos municípios na crise de segurança


Dúvida cruel

Dona Candinha acha que o Exército nas ruas do Rio está sem saber sobre quem primeiro prende:

"Os traficantes ou os políticos?!"

PONTO DE INTERROGAÇÃO
Até quando Luciano Cartaxo espera pelo PSDB?
NÚMERO

R$ 18,4 bilhões

Recursos do Fundo de Financiamento do Nordeste para empréstimos a empresas do Nordeste e a cidades pobres de Minas e Espírito Santo, parados por falta de regulamentação e assinatura do presidente Michel Temer.