Opinião

Carnaval, política e máscaras

11 de Fevereiro de 2018 às 09h59 Por Heron Cid
Na política, depois do carnaval, fantasias passam e máscaras caem (Foto: Banda Estrambelhados)

Tanto quanto o feriado, já é tradição. Em ano eleitoral, a política aguarda primeiro o barulho do carnaval para depois escolher a música a ser tocada.

Os políticos também absorvem a máxima de que o ano só começa após a festa.

Em parte, por ser verdadeiro e, portanto estratégico, em parte como desculpa para postergar definições ainda em fase de tabulação.

Até lá, eles podem paquerar com todas as escolas e cores partidárias. Sondar as notas dos concorrentes e averiguar quem se saiu melhor em vários quesitos.

Mas, depois, não tem jeito. Passada a quarta-feira de cinzas, as brasas voltam a acender.

A partir daí, todos começam a colocar em prática suas verdadeiras fantasias e a despejar suas alegorias na avenida das confabulações.

Depois do carnaval, muitas máscaras caem e a face e intenções de cada um começam a se revelar.

E o eleitor, já curado da ressaca e do entorpecimento voluntário para esquecer as amarguras e frustrações, dá o tom da batida do bumbo.

Chega a vez dele, Rei das urnas, eleger seu ritmo. Quem não souber interpretar sua melodia, fica só atrás do trio elétrico. Vendo a banda passar, como canta Chico Buarque.

Comentários

Vídeo

Vídeo-entrevista: estatístico faz raio-x das candidaturas ao Governo da Paraíba


Disparidade inflamável

Dona Candinha, com uma frase retratou o Brasil das últimas horas:

"Tanque vazio e saco cheio!"

PONTO DE INTERROGAÇÃO
Michel Temer aguenta o prolongamento da crise sem combustível popular?
NÚMERO

36

Anos fora da Copa do Mundo, a seleção do Peru, volta à maior competição do futebol mundial, depois de ficar de fora por oito competições seguidas.