Opinião

Lucélio, entre a Assembleia e a Câmara

21 de novembro de 2017 às 11h02 Por Heron Cid
Lucélio Cartaxo durante entrevista ao autor do Blog, no Frente a Frente, da TV Arapuan

Em nome do projeto do irmão, Lucélio Cartaxo já abriu mão várias vezes de entrar em processos eleitorais.

Na primeira vez que colocou o nome na urna, deixou uma eleição pavimentada de deputado federal e foi para o alto risco da dura peleja ao Senado.

Dessa vez, a coisa é diferente. Com o cartão de apresentação de 500 mil votos, já pode caminhar sozinho.

Mas há um porém.

Com o irmão provavelmente na disputa ao Governo, Lucélio precisará ter todo jogo de cintura para conciliar a necessidade de entrar no páreo sem atrapalhar as articulações em torno do de Luciano.

Queira ou não queira, ele será um concorrente interno de eventuais aliados do projeto estadual. E isso gera ciúmes, pedidos de compensações e até perdas, se não for bem gerenciado.

Esse dado vai pesar na balança para decidir entre a Câmara Federal e a Assembleia, os dois espaços com os quais Lucélio namora para 2018.

A briga por uma vaga na Assembleia tem menos melindres. É uma disputa mais aberta e povoada de candidaturas.

Quadro distinto do ringue para a Câmara, onde a maioria dos candidatos é formada por presidentes de partidos.

Gente com maior poder de fogo e barganha para oferecer ou retirar apoio à candidatura majoritária, projeto prioritário dos irmãos.

Comentários

Vídeo

Vídeo: o resultado do PIB da Paraíba num dia emblemático 


Passado e presente

Para Dona Candinha, a roubalheira está no DNA e na história do Brasil:

"Começou lá com Cabral (Pedro Álvares) e continua com o primo (Sérgio)!"

PONTO DE INTERROGAÇÃO
Em qual outro Estado a instalação de um “varejão” vira motivo de debate político?
NÚMERO

90%

Dos municípios paraibanos tem na Administração Pública e na Seguridade Social (benefícios e aposentadorias) a atividade econômica predominante, segundo o IBGE.