Opinião

Homicídios sobem no Brasil; Paraíba nada contra maré

30 de outubro de 2017 às 11h20 Por Heron Cid
Solenidade de entrega de novas viaturas e armas; esforços aparecem nos números

Mapa do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, publicado hoje pelo jornal Folha de São Paulo, traz dados que funcionam como lenitivo para os paraibanos. De acordo com as estatísticas, o número de mortes violentas atingiu seu ápice em 2016. Nessas águas turvas, a Paraíba conseguiu nadar contra a correnteza.

Atingiu 61.619 o número de mortes violentas intencionais registradas no Brasil no período, um crescimento de 3,8% em relação ao ano anterior. Significa sete pessoas assassinadas por hora.

A taxa de mortes violentas foi de 29,9 assassinatos por 100 mil habitantes. O Nordeste supera. Os três Estados com maiores incidências são Sergipe (64), Rio Grande do Norte (56,9) e Alagoas (55,9).

A Paraíba tem a segunda (33,10) menor taxa do Nordeste. Só é superada pelo Piauí, com 21,90. E um dado ainda mais alentador. O nosso Estado saiu de 37,80 mortes por grupo de 100 mil, em 2015, e foi para 33,10, em 2016.

Em números absolutos, o número de homicídios caiu de 1.502 para 1.322. Uma queda de 12,58% das ocorrências.

É o ideal? Não. É o aceitável? Nem de longe. Mesmo assim, indica um movimento totalmente contrário a onda que avassala o Brasil afora.

Significa que, de alguma forma, as políticas de segurança adotadas pelo Governo Ricardo Coutinho estão produzindo seus efeitos no quesito redução de assassinatos.

Pelo ainda gigante número de vítimas, nada a comemorar. Pela curva decrescente, um alívio.

Vídeo

Vídeo: ridicularização de Damares não é política; deboche é religioso


Então é Natal

Dona Candinha descobriu o que todo político brasileiro tem, independente de partidos e da época do ano:

"Amigo secreto!"

PONTO DE INTERROGAÇÃO
O que está faltando para João Azevedo anunciar o pouco que resta em aberto do secretariado?
NÚMERO

61,7 milhões

Produção de café em 2018, a maior já registrada na série histórico, segundo levantamento divulgado pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab).