Opinião

Aécio agora é com o Senado

13 de outubro de 2017 às 10h29 Por Heron Cid
Aécio Neves, senador do PSDB (Foto: Pedro Ladeira/Folha)

Numa decisão passível de críticas, dada à omissão de prerrogativa, o Supremo Tribunal Federal repassou para as mãos do Congresso a decisão a ser tomada em relação ao caso do senador Aécio Neves, pego em situação pouco republicana com executivos da JBS.

Agora, portanto, o destino de Aécio está nas mãos dos seus pares. Não apenas o de Aécio. O senador vai dizer a opinião pública qual régua deve ser usada para tratar casos em que algum dos seus quadros melam a ética e sambam em cima da moral.

O Senado, que inflamou a jugular para garantir o seu ‘direito’ de ter a palavra final sobre prisão e penas a seus integrantes, tem agora a oportunidade de dizer o que realmente queria quando reivindicou, ameaçou e até chantageou o Supremo para cuidar pessoalmente do Caso Aécio.

A luta foi para a Casa, enquanto representação institucional e política dos Estados da Nação, apreciar ela mesma, com isenção e espírito público, os crimes praticados pelo senador em conversa gravada na delação da JBS ou simplesmente para minimizar, abafar, relevar e blindar o parlamentar e banhá-lo de impunidade?

Ao decidir qual régua usará para avaliar a situação do tucano, o Senado também vai escolher com qual tamanho quer ser, definitivamente, visto pela sociedade brasileira.

Vídeo

Entrevista: Conselho traça ‘guia econômico’ para candidatos ao Governo


Atualizando

Dona Candinha disse que a fábrica Óleo de Peroba vai trocar a tradicional figura do índio pela imagem de outra personalidade brasileira:

"Favreto!"

PONTO DE INTERROGAÇÃO
É possível que cada uma das chapas só lancem um senador na eleição da Paraíba?
NÚMERO

11.154/2018

Número da Lei de autoria do deputado Jutahy Meneses (PRB), promulgada hoje na Paraíba, que obriga estabelecimentos comerciais a divulgar a Central de Atendimento à Mulher (Disque 180) e o Serviço de Denúncia de Violações aos Direitos Humanos (Disque 100).