Opinião

Supremo agachamento

12 de outubro de 2017 às 11h37 Por Heron Cid
Carmem Lúcia deu a palavra final e o STF assentiu as ameaças do Senado (Foto: Pedro Ladeira/Folha)

O script já estava fechado desde quando o Senado da República decidiu fazer uma explícita chantagem com o Supremo Tribunal Federal, a quem delegou a missão de solucionar o impasse em torno do senador Aécio Neves, desde que em marcha de recuo a punições imputadas ao tucano.

Assim foi feito. O Supremo, por maioria apertada, decidiu que medidas aplicadas a parlamentares carecem do endosso, do crivo Legislativo. Ou seja: o Congresso tem a palavra final, não o Judiciário, na aplicação das leis.

Tudo o que o apodrecido poder gostaria de ter em mãos num momento em que a maioria dos seus integrantes padece como réus em inquéritos e sob suspeitas de crimes de corrupção, em pleno exercício do mandato.

A Corte ficou literalmente dividida entre duas correntes.

“Ao poder Legislativo, a Constituição outorgou o poder de relaxar a prisão em flagrante, forte no juízo político. Estender essa competência para permitir a revisão de, por parte do Poder Legislativo, das decisões jurisdicionais sobre medidas cautelares penais significa ampliar a imunidade para além dos limites da própria normatividade lhe é dada pela Constituição. É uma ofensa ao postulado republicano e é uma ofensa à independência do Poder Judiciário”, afirmou o ministro Edson Fachin.

Combatido pelo voto do ministro Dias Tóffoli: “A finalidade precípua do controle político da prisão em flagrante de parlamentar é proteger, ao juízo discricionário da Casa Legislativa, o livre exercício do mandato eletivo contra interferências externas.Por força dessa mesma ratio –tutela do mandato parlamentar–, a meu sentir, qualquer outro ato emanado do Poder Judiciário que importe em restrição pessoal ao livre exercício do mandato parlamentar deverá ser submetido ao controle político da Casa Legislativa”.

Coube a ministra Carmém Lúcia, presidente do STF, o lamentável voto do desempate, que marcou a submissão do Judiciário, o último bastião de uma República em ruínas, ao controle político.

Justamente o poder que vem levando o Brasil ao desmoronamento moral. O STF capitulou e se rendeu as ameaças. Desceu na sua estatura.

Vídeo

Vídeo: a dívida de Luciano Cartaxo com a Cultura em João Pessoa


Até que enfim…

Dona Candinha ao saber que o PT vai fazer cotinha para bancar nova caravana de Lula:

"Já estava na hora de gastar do próprio bolso!"

PONTO DE INTERROGAÇÃO
Quando João Azevedo, ungido do PSB, volta ao front?
NÚMEROS

241 mil

Famílias incluídas no Bolsa Família, no mês de outubro, o que zerou a fila de espera, segundo o Governo Federal.