Opinião

A lição de 2014 e a tese de 2018

17 de setembro de 2017 às 10h26 Por Heron Cid
Cássio Cunha Lima (Foto: Jorge William/Agência O Globo)

Com o erro pode-se fazer duas coisas: ignorá-lo e continuar errando ou usá-lo como ferramenta para o acerto. O erro é, portanto, sempre uma oportunidade de crescimento.

Em 2014, o então candidato Cássio Cunha Lima cometeu um deslize que lhe custou o insucesso no embate com o governador Ricardo Coutinho, a quem venceu no primeiro turno, mas não conseguiu segurar o socialista no segundo.

Avançou nas tratativas de aliança com o PMDB, mas subestimou a legenda, não fez concessões, empurrou os peemedebistas para uma candidatura própria, dividindo a Oposição, e entregou a sigla nos braços do governador e candidato à reeleição. Deu no que deu.

Em 2018, a Oposição passará por novo teste. Se depender de Cássio, não cometerá o mesmo erro da divisão.

Foi isso que ele manifestou expressamente durante o jantar de aniversário do senador José Maranhão.

“A minha opinião é que tenhamos uma candidatura única até pela experiência que tive em 2014 quando errei  em não ter feito aliança com o PMDB porque a eleição teria sido resolvida no primeiro turno”, reconheceu.

O tucano está a advogar uma unidade do bloco contra os artifícios da divisão, sabiamente incensados pelo governador Ricardo Coutinho, apostador da mesma tática que lhe rendeu a esticada na estada da Granja Santana.

Entre outras palavras, Cunha Lima exorta os integrantes da aliança a não se deixar seduzir na tentação de subestimar o adversário e entregar a arma da unidade, de bandeja.

Aprendeu a lição do passado. Porque repetir erro não é teimosia. É burrice.

Comentários

Vídeo

Entrevista: Conselho traça ‘guia econômico’ para candidatos ao Governo


Morou?!

Dona Candinha diz que na estreia do Brasil na Copa do Mundo prevaleceu um discurso já surrado para justificar erros:

"Mais uma vez, a culpa sobrou pro juiz!"

PONTO DE INTERROGAÇÃO
Raimundo Lira participará do processo eleitoral ou apenas assistirá de camarote?
NÚMERO

2,3

Queda de pontos do indicador de confiança do consumidor no Brasil.