Opinião

Aniversário: velas de Maranhão reacendem chama da aliança

16 de setembro de 2017 às 07h16 Por Heron Cid

Não basta ser, tem que parecer. O ensino vem desde o Império Romano e foi justificativa para o divórcio de César com Pompéia.

A aliança PSD, PMDB e PSDB passou nos últimos dias por uma crise de identidade. Sua unidade está sob suspeita, digamos.

Ao longo da história, os banquetes sempre serviram de espaço de socialização e comunicação. O jantar de aniversário do senador José Maranhão cumpriu esse papel.

Nele, o senador Cássio Cunha Lima e os prefeitos Luciano Cartaxo e Romero Rodrigues sentaram à mesa para celebrar os 84 anos do mais veterano político em atividade na Paraíba.

Um gesto político com forte carga simbólica. Não que o bolo corrigiu todas as eventuais dissensões que colocam em risco o fatiamento do bloco.

Mas porque dele se extraiu uma imagem que tem poder de antídoto contra a divisão.

Enquanto Maranhão apagava as velas, juntos eles voltaram a acender a chama de uma unidade que tem potencial político para outras comemorações. Nas urnas.

Vídeo

Vídeo-comentário: quem tem medo de CPI?


Uma letra faz toda diferença

Dona Candinha, curta e grossa, sobre a nova viagem internacional do presidente Michel Temer:

"Enquanto ele está na ONU, a gente está no ônus!"

PONTO DE INTERROGAÇÃO
Depois de um ano de debate, o arremedo feito no Congresso pode ser chamado de reforma?
NÚMEROS

78%

Percentual de desaprovação de imagem do presidente Michel Temer, na visão de jornalistas latino-americanos.