Opinião

João Azevedo e o dever de casa

13 de setembro de 2017 às 09h55 Por Heron Cid

Alçado, novamente, ao posto de ungido do governador Ricardo Coutinho, desta vez para a eleição de 2018, o secretário João Azevedo está cuidando da parte que lhe cabe.

Azevedo concilia as atividades da Super Secretaria, sem deixar de fazer a lição de casa básica. De sete da manhã ao meio da noite, João atende prefeitos, deputados e lideranças políticas.

Muito mais jeitoso do que Ricardo, João vem angariando certa simpatia da classe política, incluindo presidentes de partidos que lhe procuram para resolver demandas represadas na gestão.

Por justiça, diga-se: uma tarefa que ele também cumpriu à exaustão quando pré-candidato a prefeito de João Pessoa, em 2016, embora alguns socialistas digam o contrário e falem em corpo mole.

Nessa nova quadra, interlocutores próximos garantem: ele está mais motivado e focado na pré-campanha. Certamente porque sabe que o apoio do governador Ricardo Coutinho, forte cabo eleitoral, é importante. Mas não é tudo.

Tem coisas que só João pode fazer por si mesmo.

Vídeo

Vídeo-comentário: quem tem medo de CPI?


Uma letra faz toda diferença

Dona Candinha, curta e grossa, sobre a nova viagem internacional do presidente Michel Temer:

"Enquanto ele está na ONU, a gente está no ônus!"

PONTO DE INTERROGAÇÃO
Depois de um ano de debate, o arremedo feito no Congresso pode ser chamado de reforma?
NÚMEROS

78%

Percentual de desaprovação de imagem do presidente Michel Temer, na visão de jornalistas latino-americanos.