Opinião

Quem não faz, leva

11 de agosto de 2017 às 09h31 Por Heron Cid
Oposição deu bobeira e levou drible debaixo das pernas da articulação do Governo

Nem tanto pelo peso, sem trocadilho, do suplente de deputado Aníbal Marcolino, que passou por certa dieta eleitoral ao ficar na quinta suplência de vereador na última eleição em João Pessoa.

Para a Oposição, a perda do passe do médico para uma articulação governista tem um significado simbólico a merecer uma autocrítica.

Quando esteve no Parlamento, Marcolino foi uma das vozes mais ácidas e contundentes contra o modelo Ricardo Coutinho de governar.

Seu regresso seria a promessa de ocupação de um notório vácuo na bancada, orfã de um perfil mais corrosivo de alguém com sangue no olho para incomodar e ser pedra no sapato.

O grupo oposicionista ensaiou várias vezes um movimento para devolver Aníbal à Assembleia. Mas nada prático.

O Governo, que de besta não tem nada, percebeu. Ao invés de ameaçar, foi lá e atirou no alvo.

Ao costurar espaço com a licença médica de Jullys Roberto, tirou da Oposição um inimigo histórico do front e vai ganhar, de quebra, um voto aliado.

Tal qual no futebol, na política também prevalece a lição. Quem não faz, leva.

Vídeo

Vídeo: Guarda Militar, polêmica pra lá de temporária 


Seca

Dona Candinha sobre a novela do fim do racionamento em Campina Grande:

"O Governo quer acabar o racionamento, mas continua deixando os aliados com sede!"

PONTO DE INTERROGAÇÃO
O Brasil precisa de reforma política ou de reforma dos políticos?
NÚMEROS

154º

Posição do Brasil no ranking mundial de participação das mulheres no Parlamento, segundo a ONU.