Opinião

Ingredientes de uma receita de ascensão política

9 de agosto de 2017 às 10h33 Por Heron Cid

Poucos políticos em atividade na Paraíba desfrutam, no momento, da aura em torno do prefeito de João Pessoa, Luciano Cartaxo.

Pilotando a maior cidade e PIB eleitoral do Estado, depois de uma reeleição contra um poderoso grupo adversário, ostenta gestão equilibrada, com obras e serviços, e, consequentemente, bem avaliada pelos seus concidadãos, conforme os números.

Luciano – que cultiva uma relação pessoal e política arejada e sem conflitos – também desfruta da maré da auto-estima elevada da cidade. Isso catalisa em favor dele um sentimento do bom momento vivido por João Pessoa.

Sensação patente neste mês em que a Capital completa seus 432 anos de história.

Como todo governo, tem seus críticos e deslizes potencializados por uma Oposição azeitada e dura, mas nada (ainda) capaz de comprometer a imagem que tem, naturalmente,  projetado sua ascensão.

Do ponto de vista político, é alvo de uma notória expectativa de poder, em que pese a difícil escolha do afastamento do cargo.

Tem sabido se manter como alternativa real entre PSDB e PMDB, duas estruturadas forças partidárias, mas sem perder o protagonismo e nem ficar refém delas.

De todas suas conquistas, Luciano contabiliza uma essencial para um líder em processo de auto-afirmação: precisa de parceiros na sua caminhada, mas não depende de padrinhos. Isso faz diferença.

Vídeo

Vídeo: Guarda Militar, polêmica pra lá de temporária 


Seca

Dona Candinha sobre a novela do fim do racionamento em Campina Grande:

"O Governo quer acabar o racionamento, mas continua deixando os aliados com sede!"

PONTO DE INTERROGAÇÃO
O Brasil precisa de reforma política ou de reforma dos políticos?
NÚMEROS

154º

Posição do Brasil no ranking mundial de participação das mulheres no Parlamento, segundo a ONU.