Opinião

Um sanativo para Gervásio e Ricardo

20 de Abril de 2017 às 09h06 Por Heron Cid
Presidente da Assembleia bota na conta soma de vitórias administrativas e políticas

A articulação do Governo percebeu, ainda em tempo, o erro de deixar espalhar aos quatro ventos desgaste pontual na relação do presidente da Assembleia, Gervásio Maia (PSB), e o governador Ricardo Coutinho (PSB).

A intenção talvez era desidratar o parlamentar. Não calculava que encontraria um Gervásio gelado.

Com uma só declaração, o presidente lá de Sousa, bem distante do Palácio, desmobilizou a operação e deixou muita gente tonta, sem reação. Inclusive os que trabalharam nos bastidores insuflando o governador.

Sob o risco de melindrar com um presidente de um Poder, com dois anos de mandato pela frente e condições de até montar até uma bancada, se quisesse, tal qual Ricardo Marcelo, o caminho mais recomendável foi o de apaziguar.

Seguindo o rito diplomático da proposta de pacificação, Gervásio afastou as especulações, mas não recuou num ponto; vai ficar longe de conjecturas majoritárias e cuidar de sua vaga na proporcional, estadual ou federal. Ou das duas.

Bem como Ricardo precisa de estabilidade na Assembleia, Gervásio também não pode descartar os benefícios e portas abertas na estrutura do Governo.

O caminho do sanativo foi o mais apropriado para cicatrizar feridas abertas pelo signo do fuxico e da intriga.

A briga dos dois, portanto, só interessaria aos adversários. De fora e de dentro.

Comentários

Vídeo

Vídeo: o resultado do PIB da Paraíba num dia emblemático 


Passado e presente

Para Dona Candinha, a roubalheira está no DNA e na história do Brasil:

"Começou lá com Cabral (Pedro Álvares) e continua com o primo (Sérgio)!"

PONTO DE INTERROGAÇÃO
Em qual outro Estado a instalação de um “varejão” vira motivo de debate político?
NÚMERO

90%

Dos municípios paraibanos tem na Administração Pública e na Seguridade Social (benefícios e aposentadorias) a atividade econômica predominante, segundo o IBGE.