Opinião

Lula lá, Ricardo cá

15 de março de 2017 às 09h45 Por Heron Cid
Ricardo Coutinho e Lula; dois animais políticos juntos e misturados

Um é sobejamente carismático diante das massas. Outro recatado e reservado demais ao ponto de às vezes ser mal interpretado.

Um é afeito aos bastidores políticos e no intenso diálogo com partidos e lideranças. O outro não tem muito apetite para atendimento das bases e nem pedidos de aliados.

O ex-presidente Lula e o governador da Paraíba, Ricardo Coutinho, que estarão juntos em grande ato público neste domingo, em Monteiro, têm características pessoais bem distintas.

Mas há tanto no ex-metalúrgico quanto no ex-líder sindical muitas convergências. A começar pela intrínseca ligação com os movimentos sociais.

Ambos, de origem humilde, se fizeram pelas próprias pernas e foram forjados nas lutas sociais e tratados, por muito tempo, com certa reserva pelos setores mais conservadores.

Lula e Ricardo são craques nas frases de efeitos, nas provocações aos adversários e em declarações que rapidamente viram boas manchetes na imprensa.

No palanque, crescem e se agigantam. Sabem encantar e inflamar multidões e, como poucos, sempre estabelecer o limite de territórios políticos e polarizar o debate entre “eles e nós”.

Esses dois líderes estarão juntos e misturados, com toda a sede de desconstrução dos ‘inimigos’, e prometem causar estragos numa conjuntura em que o maniqueísmo está cada vez mais presente sob os apelos da dicotomia direita e de esquerda.

Não por acaso, Ricardo joga toda sua estrutura para vitaminar o acontecimento.

Lula às margens da Transposição, obra que tem todo o seu DNA. E Ricardo em Monteiro, capital de uma reunião onde seu governo fez a maior intervenção estrutural de todos os tempos, com as estradas do Anel do Cariri.

Esse cenário favorecerá o terreno. Lula e Ricardo vão aproveitar esse dia até a última gota, literalmente. E é esse o aspecto que mais assemelha os dois: o extraordinário feeling e senso de oportunidade.

Vídeo

Vídeo-comentário: quem tem medo de CPI?


Uma letra faz toda diferença

Dona Candinha, curta e grossa, sobre a nova viagem internacional do presidente Michel Temer:

"Enquanto ele está na ONU, a gente está no ônus!"

PONTO DE INTERROGAÇÃO
Depois de um ano de debate, o arremedo feito no Congresso pode ser chamado de reforma?
NÚMEROS

78%

Percentual de desaprovação de imagem do presidente Michel Temer, na visão de jornalistas latino-americanos.