Opinião

Dom Delson: um ‘pastor’ para juntar as ovelhas separadas pela crise

8 de março de 2017 às 10h45 Por Heron Cid

Oito meses após a transição liderada pelo bispo Dom Genival Saraiva, o Vaticano vira uma página conturbada da Igreja Católica na Paraíba.

Com Dom Manoel Delson, ex-bispo de Campina Grande, a expectativa é da moderação necessária para a recuperação da imagem arranhada com o tenso processo de renúncia de Dom Aldo Pagotto, polêmico do começo ao fim de sua passagem por aqui.

Delson chega à missão invocando para si o papel de “servo”, parafraseando a missão de Jesus Cristo, o Rei que veio para servir aos seus e não para ser servido.

É a inclinação para a missão de aproximação maior do Clero com as comunidades, base responsável pela sua resignação e resistência, mesmo em meio a escândalos e frustrações.

O novo arcebispo conhece bem o terreno em que vai pisar. Tanto que, na sua carta publicada hoje, externa o compromisso em apascentar uma Igreja rachada pelas disputas internas e divergências ideológicas.

É a hora de um bom pastor para juntar o rebanho e trazer para um só altar todas as ovelhas. Inclusive as desgarradas.

Vídeo

Vídeoentrevista: Jeová precisou vencer câncer, antes de ganhar eleição


Metando

Dona Candinha jura que Dilma deu um conselho a Fernando Haddad, nessa reta final de segundo turno:

"Deixa a meta aberta e depois dobra a meta!"

PONTO DE INTERROGAÇÃO
Crítico contumaz do PT e voz ativa no impeachment, Cássio Cunha Lima ficará em silêncio no segundo turno?
NÚMERO

R$ 6,7 milhões

Valores de recursos aprovados pelo BNDES para projetos de recargas de veículos elétricos.