Opinião

Dom Delson: um ‘pastor’ para juntar as ovelhas separadas pela crise

8 de março de 2017 às 10h45 Por Heron Cid

Oito meses após a transição liderada pelo bispo Dom Genival Saraiva, o Vaticano vira uma página conturbada da Igreja Católica na Paraíba.

Com Dom Manoel Delson, ex-bispo de Campina Grande, a expectativa é da moderação necessária para a recuperação da imagem arranhada com o tenso processo de renúncia de Dom Aldo Pagotto, polêmico do começo ao fim de sua passagem por aqui.

Delson chega à missão invocando para si o papel de “servo”, parafraseando a missão de Jesus Cristo, o Rei que veio para servir aos seus e não para ser servido.

É a inclinação para a missão de aproximação maior do Clero com as comunidades, base responsável pela sua resignação e resistência, mesmo em meio a escândalos e frustrações.

O novo arcebispo conhece bem o terreno em que vai pisar. Tanto que, na sua carta publicada hoje, externa o compromisso em apascentar uma Igreja rachada pelas disputas internas e divergências ideológicas.

É a hora de um bom pastor para juntar o rebanho e trazer para um só altar todas as ovelhas. Inclusive as desgarradas.

Vídeo

Vídeo: a dívida de Luciano Cartaxo com a Cultura em João Pessoa


Até que enfim…

Dona Candinha ao saber que o PT vai fazer cotinha para bancar nova caravana de Lula:

"Já estava na hora de gastar do próprio bolso!"

PONTO DE INTERROGAÇÃO
Quando João Azevedo, ungido do PSB, volta ao front?
NÚMEROS

241 mil

Famílias incluídas no Bolsa Família, no mês de outubro, o que zerou a fila de espera, segundo o Governo Federal.