Opinião

A hora do (fio) preto no branco

15 de fevereiro de 2017 às 15h56 Por Heron Cid
Ministério Público precisa explicar TAC e Assembleia cumprir seu dever em CPI

Tem algum fio desencapado – com o perdão do trocadilho – nessa polêmica ressuscitada em torno das denúncias de fraudes contra consumidoras atribuídas à Energisa.

A empresa explica que foi inocentada e as acusações arquivadas no âmbito da Justiça do Trabalho, mas o Termo de Ajustamento de Conduta, assinado com o Ministério Público, dá margem para outro tipo de conclusão.

E não apenas a óbvia percepção de que o TAC e o pagamento de multa de R$ 800 mil representa, na prática, uma espécie de confissão de culpa.

No mínimo, o Termo levanta questionamento sobre desleixo ou leniência do MP com o caso. Ora, se cabia multa, por que não denúncia formal e aprofundamento das investigações?

Teria sido o Ministério Público omisso ou prevaricado de sua prerrogativa? As respostas para essas perguntas e a oportunidade de apurar as denúncias contra a operadora estão nas sinalizações de propostas de CPI na câmara de João Pessoa e na Assemebleia.

A Energisa, que se de diz inocente, deve ser a primeira favorável para provar com todas as letras que a acusação de simulação de “gatos” não passou de uma invenção de funcionário contrariado com a empresa.

A Assembleia, patrona recentemente uma CPI da Telefonia, que terminou, ironicamente, também em TAC, e na pífia punição de “investimentos” no sinal paraibano, tem a obrigação de entrar no tema.

Afinal, em tese, nem a Energisa e nem a assembleia devem ter o que temer. Pra o bem dos dois lados, da verdade e dos paraibanos, chegou a hora de passar o “fio preto” no branco.

Vídeo

Entrevista MaisTV – João Azevedo: “Eu não serei pau mandado de ninguém”


Consultório

Dona Candinha tem um diagnóstico: Haddad virou paciente de Lula:

"Para tudo, ele vai se consultar com Lula!!!"

PONTO DE INTERROGAÇÃO
Se der Haddad e Bolsonaro no segundo turno, com quem o PSDB vota?
NÚMERO

R$ 827 bilhões

Volume de dívidas dos estados. Rio de Janeiro é o pior quadro com R$ 127 bilhões de débitos públicos.